Polícia

Vítimas denunciam empresário e personal trainer por agressões após show no Jaraguá

TNH1 com TV Pajuçara | 03/01/22 - 08h40 - Atualizado em 03/01/22 - 14h50
Uma das vítimas da agressão mostra os ferimentos após a confusão na saída do show

Cinco pessoas estiveram na Central de Flagrantes, na noite desse domingo, 02, para registrar um Boletim de Ocorrência contra um empresário e um personal trainer por agressões físicas após um show no bairro de Jaraguá, em Maceió, no último sábado, 1º. Homens e mulheres da mesma família disseram que ficaram feridos depois de serem atacados pela dupla. Ninguém foi preso até o momento.

À reportagem da TV Pajuçara, as vítimas explicaram que saíram do evento antes do término e aguardavam a chegada de um carro para retornarem para casa quando foram surpreendidas pelos dois homens. O empresário e o personal trainer, que também haviam saído do show, teriam feito provocações de cunho sexual às mulheres antes da confusão.

"Por volta de 6h, nós saímos do show, antes de ele acabar, para evitar multidão. Como não tinha Uber, nós ligamos para a minha mãe e ficamos aguardando [a carona] na curvinha do Jaraguá. Aí passaram os dois autores, começaram a assoviar e chamaram eu e minha cunhada de gostosa. Meu irmão mais novo falou para eles deixarem a gente em paz", disse uma das mulheres.

"Aí eles, que já tinham passado da gente, voltaram, tiraram a camisa e encheram o peito. A gente ainda pediu para não ter confusão. Eles perguntaram se os meninos estavam armados, e a gente disse que não. Quando eles souberam que os meninos estavam indefesos, começaram com as agressões", continuou. 

As vítimas contaram também que os homens foram agredidos com soco e chutes, e uma das mulheres teve o celular jogado no mar por ter gravado um vídeo no momento do espancamento. Ela também teria apresentado hematomas nos braços e nos pés. 

"Ele já me deu um soco, e eu caí no chão. Fiquei meio tonto. E ele ficou por cima de mim, batendo, foi quando minha esposa começou a gravar e ele saiu de cima de mim", afirmou um dos homens. "Ele pisou nos meus pés para eu soltar o celular, tomou da minha mão, correu e jogou no mar. Graças a Deus eu estava filmando, porque senão eles iam matar meu irmão", acrescentou a mulher.

De acordo com o casal, uma equipe da Polícia Militar flagrou a situação no Jaraguá, mas um agente de segurança, por conhecer um dos agressores, teria tentado coagir as vítimas para que o caso não fosse registrado na delegacia.

"Tinha um policial que treina jiu-jitsu com um deles, e tentou nos coagir a não registrar o flagrante. Primeiro, ele disse que a gente tinha que ir no camburão para ter o flagrante, porque disse que para ter o flagrante, tinham que levar a gente como autores também", contou a mulher.

"A gente fez várias solicitações, mas a todo momento ele tentou nos induzir a não registrar a queixa", completou o homem destacando também que antes de ir à delegacia, a família esteve no IML para realizar o exame de corpo delito.

Rotam se pronuncia sobre ocorrência - A Rotam se manifestou sobre a ocorrência no começo da tarde desta segunda-feira, 03. Segundo texto enviado à redação, A equipe afirma que "no momento da abordagem todos os envolvidos estavam exaltados e não obedeceram aos comandos dos policiais envolvidos".  A nota diz ainda que  o delegado de plantão Vinicius Ferrari decidiu não proceder com TCO,  instruindo os envolvidos a fazerem um Boletim de Ocorrência. 

Nota

A ROTAM 1 e a Supervisão do BPESC se depararam com uma ocorrência de vias de fato ( briga com agressão corporal) na saída de um um show no estacionamento do Jaraguá, não sendo possível constatar quem deu início à confusão.  No momento da abordagem todos os envolvidos estavam exaltados e não obedeceram aos comandos dos policiais envolvidos, oferecendo, inclusive, resistência física, o que ensejou o uso proporcional da força para apartá-los e imobilizá-los.

Diante dos fatos expostos, a ROTAM 1 e a ROTAM 2 conduziram os envolvidos à central de flagrantes. No caminho, nas imediações do Shopping Farol, fora avistado dois indivíduos em uma moto de cor vermelha e placa não anotada, motivo pelo qual iniciou-se um acompanhamento. Todavia, a viatura da Rotam 2 chocou-se levemente com um poste, causando-lhe danos em sua parte dianteira, o que impediu a continuidade do acompanhamento, tendo as guarnições se dirigido à Central.

Quando da apresentação à autoridade policial, o delegado de plantão Vinicius Ferrari, decidiu não proceder com TCO, instruindo os envolvidos a fazerem um Boletim de Ocorrência junto ao escrivão de plantão na própria delegacia. Assim, estas guarnições deixaram a Central e retomaram o patrulhamento em suas áreas de atuação.