Alagoas

A cada 5 dias uma agência bancária é assaltada em AL; veja o mapa online do TNH1

24/04/16 - 07h45 - Atualizado em 26/04/16 - 10h08

Atualizada às 10h 26/04/2016

Frequentemente, a ação ocorre durante a madrugada, quase sempre com um grande número de assaltantes, fortemente armados, que agem principalmente em pequenos municípios de Alagoas. Essas são as características dos assaltos a agências bancárias no Estado, que desde o início deste ano já somam 18 ações.

Entre o dia 12 de janeiro (quando ocorreu o primeiro assalto a banco do ano em Alagoas) ao dia 26 de abril (última ocorrência) são 105 dias, o que totaliza uma agência assaltada a cada 5,8 dias. 

Do Sertão à região Metropolitana de Maceió, apenas os municípios da região Norte do Estado não registraram ocorrências de assaltos a agências neste ano.

Em 2015, foram registrados no total de 26 casos em todo o Estado, com uma morte. No período de janeiro a 14 de abril do ano passado, oito agências foram alvo de bandidos, metade do registrado no mesmo período deste ano.

MAPA ONLINE DOS ASSALTOS: VEJA COMO FUNCIONA

A equipe do TNH1 mapeou os assaltos ocorridos no Estado e apresenta o “Mapa do Assalto a bancos em Alagoas".

A ferramenta mostra todas as ocorrências registradas desde o início de 2016, e será atualizado sempre que um novo assalto for registrado.

Ao clicar nos ícones é possível detalhes das ocorrências como cidade, data e reportagens sobre o assalto.

Os casos são classificados no Mapa por ícones, que dividem as ocorrências em três categorias:

1 - Com utilização de explosivos;

2 - Corte plasma ou maçarico

3 - Assalto (ou tentativa de assalto) com arma de fogo.

CONFIRA O MAPA

FONTES DOS DADOS

Os dados contidos no Mapa foram cruzados a partir de informações fornecidas pela Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic) e pelo Sindicato dos Bancários de Alagoas.

As investigações dos casos ocorridos em agências da Caixa Econômica Federal são de responsabilidade da Polícia Federal (PF), que não confirmou nenhum caso no Estado. Mas a partir de apurações do TNH1 foi possível identificar um assalto ocorrido em Coruripe, em 29 de março deste ano.

PREJUÍZO: EXPLOSIVOS DANIFICAM CAIXAS E PRÉDIOS

Dos 18 casos de 2016, em 12 foram utilizados explosivos para arrombar os terminais de autoatendimento ou cofres das agências. Em muitas vezes, danificando não só os caixas eletrônicos como também os prédios onde as agências funcionam.

“Infelizmente quando ocorrem as explosões, há um prejuízo tanto para a população local quanto para a população vizinha. Fazendo com que superlote as agências das cidades próximas”, lamenta Jairo França, presidente do Sindicato dos Bancários de Alagoas.

Jairo informa que foi realizada uma reunião com o antigo secretário de Segurança Pública do Estado, Alfredo Gaspar, em que foi apresentado o atual cenário de insegurança em que vive Alagoas em relação aos assaltos a bancos, e onde foram cobradas providências do poder público. Uma nova reunião deve ser realizada com o novo gestor da pasta Segurança Pública, Coronel Lima Júnior.

Mas segundo Jairo, as agências bancárias devem assegurar a segurança dos prédios e dos clientes. “O maior problema também é em relação aos bancos, pois eles devem cumprir com a parte deles. A polícia deve atuar para os municípios e os bancos devem promover a segurança própria, mas eles não têm feito isso”, relada o presidente do Sindicato dos Bancários.

CRIMES SENDO INVESTIGADOS

Dos assaltos praticados este ano, dois grupos criminosos já foram identificados pela Polícia Civil, inclusive um deles já está com mandado de prisão decretado.

A Polícia prendeu em março, Egildo Luiz Gomes, conhecido como “Vaqueiro” pela participação do assalto a agência bancária na cidade de Canapi, em dezembro do ano passado, e também pelo envolvimento no assalto a agencia de Coité do Nóia, no início de março deste ano.

Segundo o delegado Felipe Caldas da Deic, que estava a frente das investigações a roubo a bando até o início deste mês de abril, atualmente as duas principais modalidades praticadas nos assaltos a bancos em Alagoas são: corte plasma ou maçarico e explosão, que totalizam 15 ocorrências em Alagoas, apenas neste ano.

Quando utilizando o artifício do corte plasma ou maçarico, os criminosos, com certo conhecimento e habilidade, conseguem efetuar o roubo com uma maior incidência de sucesso, retirando a gaveta intacta do cofre, de acordo com Caldas.

“Dependendo do terminal de autoatendimento, eles possuem dispositivos de segurança que rasgam as notas de maior valor quando há um abalo sísmico, mínimo que seja. Em outro mecanismo, há a liberação de tinta rosa que mancham as cédulas quando ocorre a violação do cofre”, explica o delegado.

Mas o próprio delegado destaca, que, a maior parte dos caixas eletrônicos das agências do estado, não possuem destes mecanismos de segurança. “Se as empresas investissem um pouco mais nesses sistemas talvez inibisse mais os assaltantes”, alerta.

PENA PARA CRIMES COM EXPLOSIVOS PODE AUMENTAR

Está em tramitação no Senado o Projeto de Lei da Câmara (PLC) 24/2015, que prevê o aumento da pena para até oito anos de prisão, sob o crime de furto e roubo a caixas eletrônicos quando for praticado com a utilização de explosivo.

A atual Lei do Código Penal determina a reclusão de um a quatro anos e multa para esse tipo de crime. O novo texto, de autoria do deputado Alexandre Leite (DEM-SP), estabelece penas de três a oito anos de reclusão, além do aumento da pena de um terço até a metade quando a arma de fogo, munição ou acessório explosivo for fruto de roubo.