Saúde

Alagoas está entre estados com mais casos de zika no País

Casos prováveis de dengue cresceram quase 600% nos oito primeiros meses de 2019 com relação a 2018

Redação TNH1 com MS | 11/09/19 - 19h58 - Atualizado em 11/09/19 - 20h08

Alagoas é um dos estados que lideram o número de casos prováveis de Zika no País. Até o dia 10 de agosto deste ano, foram notificados no estado 18 casos da doença por 100 mil habitantes, número três vezes maior do que a média do Nordeste, que é de 6,7 casos por 100 mil habitantes. Na região, Alagoas fica atrás apenas do Rio Grande do Norte.

Ao todo, no País, foram registrados 9.813 casos prováveis de Zika no país, o que representa um aumento com relação ao ano passado, quando foram registrados 6.669 casos prováveis.

Além do Nordeste, as regiões Centro-Oeste e Norte, com 6,2 casos e 4,9 casos por 100 mil habitantes, respectivamente, apresentam números altos de casos prováveis de Kika. Os dados são do Ministério da Saúde.

Na análise das unidades da federação, além de Alagoas e Rio Grande do Norte, destacam-se Tocantins (32,3 casos/100 mil hab.) e Espírito Santo (15,7 casos/100 mil hab.).

Neste ano, foram confirmados dois óbitos por Zika no estado da Paraíba.

Casos de dengue crescem quase 600% no País

Pelos dados do MS, no caso da dengue, foi registrado um aumento de 599% nos oito primeiros meses de 2019, quando foram registrados 1.439.471 casos de dengue no país. No mesmo período de 2018, foram esse número foi de 205.791.

A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, está em 690,4/100 mil habitantes. O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 419%, passando de 141 para 591 mortes.

As regiões Centro-Oeste e Sudeste apresentam os maiores valores: 1.196.1 casos/100 mil hab. e 1.139,2 casos/100 mil hab., respectivamente.

Na análise das unidades da federação, destacam-se Minas Gerais (2.239,3 casos/100 mil hab.), Goiás (1.561,6 casos/100 mil hab.), Espírito Santo (1.493,3 casos/100 mil hab.), Mato Grosso do Sul (1.466,1 casos/100 mil hab.) e Distrito Federal (1.194,4 casos/100 mil hab.).

Chikungunya

O números casos de chikungunya também cresceram. Em 2019, até 24 de agosto, foram registrados 110.627 casos de chikungunya no país, contra 76.742 casos registrados em 2018.

A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, está em 53,1,0 casos/100 mil habitantes. No mesmo período, foram confirmados 57 óbitos (47 no Rio de Janeiro, 5 na Bahia,1 no Maranhão, 1 na Paraíba, 1 em Minas Gerais, 1 no Distrito Federal e 1 no Espírito Santo) por chikungunya.

As regiões Sudeste e Nordeste apresentam os maiores valores: 94,1 casos/100 mil hab. e 39,3 casos/100 mil hab., respectivamente. Na análise das UFs, destacam-se Rio de Janeiro (447,4casos/100 mil hab.) e Rio Grande do Norte (255,8 casos/100 mil hab.).