Saúde

Anvisa autoriza importação de matéria-prima pelo Butantan para a CoronaVac

Uol | 28/10/20 - 17h56 - Atualizado em 28/10/20 - 18h13
Reprodução


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou hoje que autorizou a importação de matéria-prima para o início da produção local da CoronaVac, a vacina contra a covid-19 desenvolvida e testada pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

O pedido havia sido feito em setembro pelo Butantan, que tem a previsão de usar os insumos vindos da China para produzir 40 milhões de doses do imunizante em sua fábrica em São Paulo. A instituição acredita ser possível que as doses estejam à disposição até dezembro.

Em nota, a Anvisa confirmou que concedeu a liberação em "caráter excepcional". A decisão foi tomada no Circuito Deliberativo da entidade, que permite a votação virtual dos diretores da Agência sobre temas de grande relevância.

O órgão do governo federal esteve no centro de uma polêmica na última semana diante das cobranças do Butantan pela liberação. Dimas Covas, diretor geral da instituição, cobrou a Anvisa ainda hoje mais cedo, afirmando que a demora na liberação estava atrasando o cronograma de produção da CoronaVac.

Na nota em que confirmou a autorização, a Anvisa fez questão de esclarecer que a CoronaVac ainda não tem registro no Brasil para que seja iniciada uma campanha de vacinação com o imunizante.

"Os estudos ainda estão em andamento e não existe previsão de data para a vacinação", afirma a Anvisa. "Não há ainda vacinas autorizadas no Brasil", complementa depois a nota da Agência federal.