Brasil

Aplicativos da Caixa apresentam instabilidade, relatam usuários

TNH1 e Folhapress | 07/04/20 - 13h57 - Atualizado em 07/04/20 - 14h37
TNH1

O site auxilio.caixa.gov.br e o aplicativo CAIXA|Auxílio Emergencial ficaram fora do ar por cerca de uma hora na manhã desta terça (7), logo após o lançamento da ferramenta que dá acesso ao auxílio emergencial de R$ 600 para desempregados e trabalhadores informais que estão sem renda devido à quarentena para combater a pandemia do novo coronavírus.
Entre meio dia e 13h desta terça, quem tentava fazer o cadastro ficava parado na página inicial, sem conseguir confirmar seus dados. No Twitter, usuários mencionaram a dificuldade em concluir o pedido.

De acordo com o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, o site está disponível desde a noite de segunda-feira (6). Na manhã desta terça, a Caixa informou já ter recebido mais de 8 milhões de acessos. A atualização deste dado será anunciada às 15h desta terça.

Precisam baixar o aplicativo para se cadastrar no programa os informais que não estão no CadÚnico (Cadastro Único) ou não são beneficiários do Bolsa Família, os contribuintes individuais ao INSS e os MEIs (Microempreendedores Individuais).

É necessário estar com o CPF válido para receber o auxílio emergencial. Segundo o ministro Lorenzoni, quem fraudar dados para receber o auxílio emergencial será preso.

O auxílio emergencial será pago em três parcelas dentro dos próximos 45 dias. A primeira será paga até quinta-feira (9) para quem está no CadÚnico, não recebe Bolsa Família e tem conta-poupança na Caixa Econômica Federal ou conta no Banco do Brasil. Quem tem cadastro no CadÚnico, não recebe Bolsa Família e não tem conta nesses bancos receberá no dia 14.

A segunda parcela será no final de abril e a terceira, no final de maio.

Quem não sabe se está inscrito no cadastro poderá confirmar a informação no aplicativo ou no site, por meio do CPF.

Para beneficiários do Bolsa Família, o governo federal decidiu não mudar as datas de pagamento e não há necessidade de se cadastrar no site ou no aplicativo.

O pagamento será depositado diretamente nas contas dos trabalhadores. Será anunciado em breve um cronograma para saques em dinheiro. Os bancos não poderão usar o valor para cobrir saldo negativo da co

Clientes da Caixa reclamam desde a última segunda-feira (6) de instabilidade no aplicativo do banco. Pelo Twitter, usuários relataram problemas com diferentes tipos de mensagens que são exibidas ao tentar realizar transações pelo app para Android e iPhone (iOS), como "null" (nulo, em inglês), "VS-OUT", "VU-STI" e "erro de conexão", de acordo com o TechTudo. A publicação diz que, segundo o Downdetector, site que monitora problemas em serviços online, as regiões sudeste e sul são mais atingidas pela falha, seguidas pelo litoral do nordeste.

O TechTudo diz que o portal indica que os relatos de instabilidade no aplicativo da Caixa começaram por volta das 8h (horário de Brasília) de ontem, e atingiram o pico às 16h22, com mais de 400 notificações de erro com o uso do app. 

Ainda segundo a matéria do TechTudo, a Caixa não se pronunciou até a publicação do texto na última segunda-feira. 

O site acrescenta que, de acordo com comentários na página da Caixa no Downdetector, há correntistas que tentam sem sucesso usar o aplicativo desde cedo. Alguns usuários avisam que o canal de atendimento via WhatsApp e o site da Caixa também não funcionam. Outros aplicativos da empresa, como o Habitação Caixa, também apresentam erro, segundo os relatos, informou o TechTudo.

O site enumera que as reclamações mais frequentes indicam lentidão, mensagens de erro de Internet e que o aplicativo trava e fecha sem motivo aparente durante as transações. Como é início de mês, o problema causa muito transtorno aos correntistas que recebem salário nos primeiros dias úteis e miram os boletos que estão para vencer. 

O TechTudo relata ainda que o aplicativo do Bradesco também passou por instabilidade na tarde de ontem. A suspeita, segundo o site, é de que os canais estejam sobrecarregados com o aumento de tráfego provocado pela recomendação de evitar atendimento presencial no setor bancário, a não ser em casos estritamente necessários.