Política

Após supostas ameças, Cunha solicita proteção policial

17/04/16 - 07h17 - Atualizado em 17/04/16 - 07h44
Arquivo / Agência Câmara

Supostos telefonemas que ameaçavam o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e sua família, feitos para sua casa, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, levaram o deputado a pedir proteção da Polícia Militar.

A assessoria da presidência da Câmara afirmou que os telefonemas foram feitos para o telefone fixo da residência. Mas não soube informar a data ou o conteúdo das ligações.

Neste sábado (16), Cunha também afirmou em plenário que providenciou reforço da segurança para a região dos apartamentos funcionais dos deputados federais em Brasília.

Segundo deputados, há possibilidade de manifestações e de obstrução de vias para impedir que deputados se desloquem para a votação do impeachment no Congresso. Informações sobre esses supostos atos circularam nos últimos dias em redes sociais.

O reforço será feito pela Polícia Militar do Distrito Federal, que usará inclusive um helicóptero para identificar eventuais focos de obstrução.