Polícia

Casal morto a tiros recebia ameaças e teve casa invadida há oito dias, diz delegada

João Victor Souza | 18/02/20 - 09h39 - Atualizado em 18/02/20 - 10h03
Arquivo TNH1

A delegada Rosimeire Vieira, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), afirmou para o TNH1, em entrevista na manhã desta terça-feira, 18, que o casal morto a tiros no bairro Petrópolis, em Maceió, recebia ameaças e teve a casa invadida e incendidada recentemente. Ela esteve no local do crime nessa segunda-feira, 17.

Antônio de Oliveira Melo Neto, 42 anos, foi atingido por cinco tiros, sendo um na axila, um no tórax, e três na cabeça, quando deixava a residência com a companheira, Maria Claudina da Silva, 33. Ela foi baleada no abdomen e chegou a ser socorrida. A mulher foi levada a um hospital, mas não resistiu. O homem morreu antes da chegada do socorro. 

"Nós recebemos a informação de que eles estavam sendo ameaçados. Há 15 dias teve um incêndio provavelmente criminoso na residência deles, e uma semana depois, a casa foi invadida. Essas pessoas estavam à procura de alguém que não falaram o nome, como viram que não estava na casa, foram embora", disse ao destacar também que o casal havia mudado de endereço.

Rosimeire Vieira contou que há possibilidade de Antônio ter sido o alvo dos criminosos, já que recebeu a maior parte dos tiros, e a companheira dele morreu por estar próxima no momento do ataque. Os dois deixavam o imóvel onde o pai de Antônio morava e que também já foi habitada por eles.

Ainda segundo a delegada, Antônio e Maria não possuem ficha criminal. Familiares também desconhecem o envolvimento do casal com o mundo do crime e não forneceram informações sobre inimizades. 

A polícia trabalha para identificar os suspeitos e descobrir o que teria provocado a execução.