Mundo

Com shows e poucas restrições, Nova Zelândia comemora chegada de 2021

UOL | 31/12/20 - 14h05 - Atualizado em 31/12/20 - 14h17
Reprodução/TV Globo

Com um cenário controlado da pandemia do novo coronavírus, a Nova Zelândia comemorou a chegada de 2021 com fogos na SkyTower e luzes na Ponte do Porto, em Auckland, cidade mais populosa do país. 

Bandas como Whitechapel Jack e Halo começaram a animar multidões na beira-mar de Auckland já no entardecer do último dia do ano de 2020 no país.

Com a covid-19 controlada no país, pessoas dançaram e cantaram livremente e sem máscaras durante os shows, que foram até a hora da virada. 

Quando o relógio bateu 0h e o ano de 2020 ficou para trás, fogos foram estourados na Auckland Sky Tower. Na beira-mar, ainda rolou show da banda de Jordan Luck.

O exemplo neozelandês

Pelo exemplo do país na contenção do novo coronavírus, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Arden, foi escolhida como uma das dez personalidades do ano pela revista Nature. 

Enquanto diversos países enfrentam uma forte recessão devido à pandemia de covid-19, a Nova Zelândia já saiu da sua, registrando um crescimento de 14% do PIB (Produto Interno Bruto) durante o trimestre entre julho e setembro.

Segundo dados compilados pela Universidade Johns Hopkins (EUA), a Nova Zelândia, que possui cerca de 4,8 milhões de habitantes, registrou, até agora, apenas 25 mortes decorrentes da doença —e a última foi registrada há mais de três meses, na segunda dezena de setembro. 

Já é Ano Novo na Austrália

Do leste ao oeste, o mundo vai celebrando a chegada de 2021. Após a Nova Zelândia dar boas-vindas ao ano novo, foi a vez de a Austrália iniciar seus festejos. 

Em Melbourne, pessoas se aglomeraram na Praça da Federação à espera de o relógio bater meia-noite. Em Sydney, poucas pessoas foram até o porto apreciar a tradicional queima de fogos, que foi televisionada. 

Com o norte da cidade enfrentando um surto do novo coronavírus, o governo local desistiu até da ideia de permitir que 5.000 pessoas que trabalham na linha de frente de combate à pandemia de covid-19 pudessem comparecer no Porto de Sydney para ver a queima de fogos.