Maceió

Defensoria dá 24h para Prefeitura de Maceió providenciar tratamento para dependente químico que vive acorrentado

Redação TNH1 | 23/11/21 - 15h34 - Atualizado em 23/11/21 - 17h14
Reprodução

Após exibição de reportagem do Fique Alerta, da TV Pajuçara/Record TV, que mostra uma mãe que mantém acorrentado o próprio filho dependente químico para que ele não saia e cometa crimes, a Defensoria Pública do Estado de Alagoas deu 24 horas para que a Prefeitura de Maceió providencie visita de uma equipe do Centro de Atenção Psicossocial (Caps) e encaminhe o paciente para tratamento, sob pena de ação por descumprimento da sentença.

A situação de José Carlos Rodrigues Diniz, 34 anos, é um verdadeiro sofrimento para a mãe dele e para a irmã, Cristiane Rodrigues Diniz, que moram no Benedito Bentes. José Carlos já chegou a vender objetos de casa e praticar delitos para comprar a droga. “Não é a primeira vez que eu coloco ele na corrente, pra não ver ele morto. Eu já perdi dois filhos e não tenho saúde boa. Já tentei tirar a minha própria vida, de matar ele também, porque o desespero é demais. Eu não desejo para nenhuma mãe o que eu estou sofrendo aqui”, afirmou a mãe, em entrevista ao repórter Alan Garcia.

Por meio de nota, a Defensoria Pública informou que entrou em contato com o Caps com o objetivo de agendar uma visita a José Carlos. No entanto, a Defensoria foi informada que "há uma certa dificuldade para que os médicos se desloquem ao encontro do dependente quimico".  

Também por meio de nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que uma equipe do Caps AD esteve hoje na residência e que a família ainda não havia buscado tratamento nos equipamentos municipais. "Os familiares informaram que ele é acompanhado por serviço da rede estadual, onde recebe assistência psiquiátrica, e que a situação se agravou há algumas semanas. Até que a situação esteja estabilizada, os CAPS estarão em contato com a rede de cuidados intersetorial para dar seguimento ao caso", diz trecho da nota.