Polícia

Depoimentos sobre "Chacina de Guaxuma" são retomados pela Polícia

13/11/15 - 12h35

Depoimentos sobre Chacina de Guaxuma foram retomados pela Polícia (Crédito: TNH1/Arquivo)

Depoimentos sobre Chacina de Guaxuma foram retomados pela Polícia (Crédito: TNH1/Arquivo)

Os delegados que investigam a Chacina de Guaxuma retomaram no começo da tarde desta sexta-feira (13) os depoimentos referentes ao caso, onde os dois irmãos, apontados pela polícia como autores do crime que chocou o estado, deverão ser ouvidos.

Além de Crhys Maicou dos Santos Muniz, que se apresentou a polícia na tarde de ontem, e do irmão dele Charly dos Santos Muniz, preso no último domingo em Maragogi, a polícia investiga a participação de outras três pessoas, um homem identificado apenas por Bruno, que também será ouvido hoje, e outros dois identificados apenas por "Cal Pitbull" e "Bagre".

De acordo com o advogado que representa Bruno e os irmãos presos, Lucas Albuquerque, a prisão dos outros dois jovens é fundamental para o caso. “No dia do crime Crhys, Charly, Bruno, Pitbull e Bagre estavam juntos tomando cerveja, quando decidiram ir para um “reggae”, todos junto em um carro. Quando no meio do caminho Bagre teria pedido para descer, que havia desistido de ir”, informou o advogado.

Ele acredita que Bagre pode ter cometido o crime, já que outros dois crimes semelhantes são atribuídos a ele. “Espero que, com a prisão dele [Bagre], possa se explicar o que aconteceu naquele dia”, informou.

LEIA MAIS

"Nunca vi um crime tão brutal", diz secretário de Segurança em entrevista

Veja as imagens do local da chacina que deixou 4 mortos em Guaxuma

Clima entre parentes e amigos de vítimas da Chacina de Guaxuma é de perplexidade

O advogado disse ainda que os seus três clientes alegam inocência. “Eu só tive a oportunidade de conversar com o Bruno e com o Maicou e com base no que eles me disseram não vejo participação dos três no crime”, espera.

Ontem a polícia iniciou os depoimentos de declarantes e de testemunhas do caso. Os depoimentos começaram durante a tarde e se estenderam até às 4h de hoje.

Mesmo com a alegação de inocência, Crhys Maicou, seria o suspeito visto por uma testemunha deixando o local do crime coberto de sangue e empunhando um facão.

Ontem familiares e amigos dos irmãos realizaram uma manifestação em frente ao Complexo de Delegacias Especializadas (Code), no bairro de Mangabeiras alegando que os dois são inocentes.

Charly e Crhys Maicou tiveram suas prisões temporárias decretadas hoje e devem ser encaminhado para o sistema prisional. As prisões temporárias tem validade de 30 dias e poderão ser prorrogadas por mais 30.