Alagoas

DF, AL e mais 22 estados: Governo registra 199 pacotes com sementes da China; veja os riscos

TNH1 com Ascom Mapa | 03/10/20 - 14h36 - Atualizado em 03/10/20 - 23h35
Foto: Reprodução

Neste sábado (03), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmou o recebimento de 199 pacotes de sementes não solicitadas no Brasil, todos originários de países asiáticos, como China, Malásia e Hong Kong.

Os pacotes solicitadas foram recebidos em 23 estados e no Distrito Federal: Além de Alagoas, segundo o Ministério, os pacotes chegaram ao Acre, Amapá, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba,  Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

A orientação do ministério é que as pessoas não abram pacotes de sementes não solicitados recebidos pelos Correios. Até o momento, ainda não é possível apontar os riscos envolvidos. O material está sendo enviado para o Laboratório Federal de Defesa Agropecuária (LFDA) de Goiânia, referência no assunto, onde serão realizadas análises para verificar eventuais riscos à saúde humana, à produção agrícola brasileira ou ao meio ambiente.

Foto: Ministério da Agricultura

O pacote não deve ser descartado no lixo, a fim de evitar o contato das sementes com solo e sua germinação. As sementes também não devem ser plantadas pois ainda não são conclusivos os estudos sobre os riscos.
A orientação para quem receber o material é que entre em contato com a Superintendência Federal de Agricultura de seu estado ou o órgão estadual de defesa agropecuária para providenciar a entrega ou recolhimento do material.
 
O alerta vale para recebimento de sementes que cheguem do exterior de qualquer país e não somente da China, como vem sendo divulgado.
 
A importação de vegetais sem autorização pode introduzir pragas ou doenças que não existem ou estão erradicadas no país, além de causar prejuízos econômicos. Para evitar o risco fitossanitário, o Mapa atua no controle do e-commerce internacional com equipe dedicada a fiscalizar e impedir a entrada de material sem importação autorizada no país. Não é possível ainda afirmar se essa ação está relacionada a alguma estratégia de marketing de vendas por e-commerce.
 
Vale destacar que a entrada de sementes no Brasil só pode ser originária de fornecedores de países com os quais o Mapa já tenha estabelecido os requisitos fitossanitários. Esse material deve ser certificado pelas autoridades fitossanitárias do país exportador.
 
O ministério, antes de autorizar a importação da semente de determinado país, realiza análise de risco de pragas para identificar quais pragas podem ser introduzidas por aquelas sementes. A partir disso, ficam estabelecidas medidas fitossanitárias a serem cumpridas no país de origem para minimizar o risco de introdução de novas pragas no Brasil por meio da importação desse material.