Mundo

Economia mundial: preço do minério dispara 24% na China

Exame | 31/05/20 - 22h03
Kim Kyung Hoon

O aumento no número de casos da covid-19 no Brasil é um fator de preocupação para a economia brasileira, mas também acende sinal de alerta do outro lado do mundo, destaca o Estadão. Na China, principal parceiro comercial do País, os preços do minério de ferro dispararam 24% nos últimos 30 dias com os negociadores temendo que a situação da pandemia por aqui provoque interrupções na cadeia de fornecimento do material – o que atrapalharia ou, no mínimo, tornaria mais cara a retomada da segunda maior economia do mundo, primeira a entrar e a sair da crise causada pelo novo coronavírus.

O Brasil não é o principal fornecedor de minério à China: esse posto é da Austrália, que vende aos chineses 63% do minério que eles consomem. Entretanto, a australiana Rio Tinto compete de perto com a brasileira Vale no mercado mundial. A Rio Tinto espera produzir de 324 milhões a 334 milhões de toneladas de finos de minério em 2020; a brasileira Vale, entre 310 milhões e 330 milhões de toneladas.

O mercado para ambas tem se aquecido à medida que a China retoma suas atividades no pós-covid e, em maio, a tonelada do minério no porto chinês de Qingdao ficou consistentemente acima dos US$ 90. Na sexta-feira, deu um salto de 5% e chegou a US$ 102. “O grande ponto tem sido o Brasil se tornar um epicentro da doença e as operações da Vale serem paralisadas”, diz, sob condição de anonimato, o analista de um grande banco de investimento.