Brasil

Homem suspeito de estuprar as seis filhas é preso no Acre

Folhapress | 10/11/21 - 15h41
Divulgação / Polícia Civil do Acre

Um agricultor de 44 anos foi preso pela Polícia Civil do Acre, suspeito de estuprar as seis filhas, por vários anos, no município de Assis Brasil (AC). A prisão do homem foi divulgada na terça (9) pela polícia, que cumpriu mandado de prisão preventiva expedido pelo juiz Alex Ferreira Oivane, da comarca de Assis Brasil.

Uma das filhas do homem, que está atualmente com 27 anos, decidiu procurar a polícia para relatar que ela tinha sido estuprada pelo pai por vários anos, desde os 13, porque suspeitava que as irmãs adolescentes também estariam sendo vítima do homem.

Após a comunicação do caso à polícia, outra irmã da jovem, que tem 21 anos, também relatou que foi vítima de estupro durante anos. Ela contou que se mudou para Rio Branco na tentativa que os atos criminosos cessassem e, segundo relato policial, o homem ainda chegou a ir atrás dela na capital.

A Polícia Civil do Acre instaurou inquérito para apurar as denúncias de estupro de vulnerável e, ao mesmo tempo, solicitou ao Poder Judiciário a prisão preventiva do investigado, o que foi acatado pelo juiz.

As outras quatro filhas do homem, que são adolescentes, moram com ele e com a mãe e contaram à polícia que o pai abusava sexualmente delas também, mas que tinham medo de contar à mãe porque o homem as ameaçava. A Polícia Civil pediu a prisão preventiva do investigado por estupro de vulnerável para que ele fosse retirado do convívio com as quatro filhas adolescentes.

Exame de conjunção carnal feito nas quatro adolescentes, segundo a polícia, deu negativo, mas relato dos abusos feitos pelas vítimas foi constatado por psicólogos do Poder Judiciário. As quatro filhas e a mãe estão sendo acompanhadas por equipe de psicólogos e assistentes sociais.

A mãe afirmou, em depoimento à polícia, que não sabia que o marido abusava sexualmente das filhas, que afirmaram que o homem esperava a mulher sair para agir. A mulher explicou ainda, em depoimento, que como a família reside em um local de difícil acesso, havia demora na condução dela quando precisa ir à cidade.

A família reside em uma casa em um local de difícil acesso, e para os policiais cumprirem a ordem judicial, tiveram que percorrer 64 km de ramal, e em seguida, caminhar por mais 22 km a pé. "Ao chegar na colocação retiro, os agentes deram voz de prisão ao acusado e o conduziram a presença da autoridade policial", informou a Polícia Civil do Acre.

O homem não resistiu à ordem de prisão. Ele negou acusações em depoimento prestado ao delegado Erick Maciel, responsável pelas investigações. O UOL tentou localizar a defesa dele, mas a reportagem ficou impossibilitada porque o homem não constituiu um advogado.

O agricultor está preso no presídio Francisco de Oliveira Conde, no Complexo Penitenciário de Rio Branco, onde ficará à disposição da Justiça. Caso não constitua um advogado, ele deverá ser assistido por um defensor público durante o processo.