Futebol Nacional

Jorginho comemora tempo para treinar e quer um Vasco focado contra o Brasil-RS

08/07/16 - 14h31 - Atualizado em 08/07/16 - 14h34
Paulo Fernandes / Ascom Vasco

Depois de mais de um mês com jogos seguidos nos meios e nos finais de semana, o Vasco pôde desfrutar de dias mais tranquilos de treinamentos nesta semana. O fato foi comemorado pelo técnico Jorginho, que em entrevista coletiva nesta sexta-feira, após o último treino para o duelo deste sábado contra o Brasil, de Pelotas (RS), exaltou este tempo de trabalho para corrigir as falhas que culminaram com quatro derrotas nas últimas sete rodadas da Série B do Campeonato Brasileiro.

O treinador vascaíno espera uma boa atuação do Vasco e quer o time focado em campo. "Estamos fazendo um trabalho muito bom e não podemos perder o foco por conta de duas derrotas (para Paraná e Avaí). Nós somos os líderes do Brasileiro e vai permanecer assim. Trabalhamos muito o comportamento tático e cobramos bastante intensidade dos atletas durante a semana de trabalho. Precisamos estar ligados o tempo todo", disse.

Jorginho terá desfalques importantes como o goleiro uruguaio Martín Silva e o atacante Leandrão, que receberam o terceiro cartão amarelo na derrota para o Avaí, em Florianópolis. "Em relação ao time, não fico preocupado em tentar coisas novas. Dentro do jogo você pode surpreender o adversário com as mesmas peças que você tem, basta ter uma postura diferente. Demonstramos isso em vários jogos, quando estávamos com uma equipe conservadora e fomos extremamente ofensivos, com uma marcação em linha alta. É isso que temos que fazer dentro de casa", afirmou.

Por ter sido expulso na rodada passada, Jorginho não poderá comandar o time no banco de reservas. Por conta disso, quem dirigirá a equipe será o auxiliar Zinho. "O Zinho é treinador, ele está auxiliar, mas é técnico. Eu o considero assim, nunca vou considerá-lo apenas um auxiliar. Ele possui uma voz de decisão. A palavra final é minha, mas ouço muito o Zinho e as pessoas possuem muito respeito por ele. É um profissional de muita capacidade. Vai ficar ele e o Cléber no banco, tenho total confiança neles", completou o treinador vascaíno.