Polícia

Mãe nega que tinha conhecimento de que filha de 12 anos era estuprada em Viçosa

João Victor Souza e Lelo Macena | 13/11/19 - 16h48 - Atualizado em 13/11/19 - 17h54

A dona de casa Ernestina Feitosa da Silva, mãe da menina de 12 anos que foi estuprada e teve um filho do próprio tio, José Taciano da Silva, preso nesta quarta (13), negou, em entrevista exclusiva ao TNH1, na tarde de hoje, ter tido qualquer conhecimento sobre o crime antes do resultado do exame de DNA que comprovou a paternidade do homem. A polícia investiga se a mãe era conivente com os abusos praticados por José Taciano.

“Eu não sabia de nada. Só vim descobrir após o exame. Levei um choque grande”, revelou Ernestina, em entrevista por telefone ao TNH1.

A mãe da vítima, que vai depor nesta quinta-feira, no Fórum de Viçosa, também negou o suposto relacionamento extraconjugal com José Taciano, como foi divulgado pela polícia na manhã desta quarta-feira. Para ela, o tio da menor tem interesse em acabar com o seu relacionamento de 20 anos. “Ele quer se safar e quer me colocar como culpada. Eu jamais trairia meu marido. Sou casada há 20 anos e muito bem casada. Eu acho que ele quer acabar com meu casamento”, destacou.

A mulher também deu detalhes da convivência com o estuprador e explicou que ele frequentava a casa do irmão, perto da dela. “Ele mora longe e vinha para a casa do meu irmão de quinze em quinze dias, às vezes uma vez no mês”, contou. 

Sobre ter apontado suspeitos do crime, quando prestou depoimento à polícia, Ernestina envolveu o nome de Emerson Feitosa de Mendonça, que chegou a ser preso suspeito pelo crime. A paternidade dele foi descartada e ele acabou sendo solto no mês passado. 

“O Emerson trabalhava comigo. Então como ele convivia comigo e com minha filha e andava com a gente para cima e para baixo, acabei desconfiando”, justificou.

“Ela sabia”

Também em entrevista exclusiva ao TNH1, sob a condição de ter seu nome mantido em sigilo, uma pessoa próxima à família disse que Ernestina tinha conhecimento de que a filha era vítima de abusos sexuais por parte de José Taciano.

Segundo a fonte ouvida pelo TNH1, Ernestina chegou a ser vista supostamente dando um chá abortivo para a filha beber, durante a gravidez da menina. Em seu depoimento à polícia, ela contou que só soube da gravidez no dia em que a menina deu à luz.

Ainda segundo as informações obtidas pelo TNH1, familiares e pessoas próximas à família desconfiam de que o desaparecimento da outra filha de Ernestina, Sandra Silva Melo de Moares, de 15 anos, que sumiu há quatro meses, está diretamente relacionado ao caso.

“O mistério todo dessa história é a mãe. Ela sabe de tudo. A Sandra desapareceu exatamente no dia em que a irmã dela de 12 anos foi fazer o exame de gravidez”, disse a fonte ao TNH1.

Diante das evidências, a polícia investiga se Ernestina sabia do estupro. Em depoimento à polícia, José Taciano da Silva confirmou o relacionamento amoroso com a mãe da adolescente e disse que foi chantageado pela menina de 12 anos. Segundo Taciano, se não mantivesse relação sexual com a menina, ela revelaria o caso extraconjugal dele com a mãe.

Segundo a polícia, durante o começo da gestação da menina, Ernestina se comportou como se estivesse escondendo o caso. “Quando a barriga da menina começou a aparecer e o povo perguntava o que seria isso, a mãe dizia sempre que era verme, que a menina teria contraído esquistossomose”,disse o chefe de operações da delegacia de Viçosa. 

"