Alagoas

Mais de 2,5 mil cestas básicas serão entregues a famílias quilombolas de Alagoas

Ascom MMFDH | 26/08/20 - 12h22 - Atualizado em 26/08/20 - 12h35
Foto: Marcelo Casal Jr. / Agência Brasil

Comunidades quilombolas de Alagoas e Sergipe serão beneficiadas com mais de 5,3 mil cestas de alimentos. A doação dos itens, que começou nesta semana, é realizada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) com recursos repassados pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH).

Ao todo, serão doados cerca de 117 mil quilos de produtos, como feijão, arroz, farinha de mandioca, açúcar cristal, macarrão, leite em pó, flocos de milho e óleo de soja.

A operação, realizada pela unidade armazenadora da Conab em Maceió, envolve a montagem de cestas básicas de 22 kg. Cada família, nos dois estados, receberá uma cesta nesta etapa.

Em Alagoas, serão distribuídas cerca de 2,5 mil cestas. Serão beneficiadas famílias quilombolas nos municípios de Arapiraca, Canapi, Carneiros, Igreja Nova, Jacaré dos Homens, Palmeira dos Índios, Pão de Açúcar, Poço das Trincheiras, Santana do Mundaú, São José da Tapera, Taquarana e Traipu.

Já em Sergipe, serão doadas mais de 2,7 mil cestas. Os itens serão entregues às comunidades quilombolas localizadas nas cidades de Poço Redondo, São Luiz do Itanhy, Indiaroba, Cumbe, Jaboatão, Capela, Aracaju, Pirambu, Porto Verde, Aquidaban e Canindé do São Francisco.

Ação emergencial

A entrega dos itens alimentícios é resultado de uma parceria entre o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), a Fundação Nacional do Índio (Funai), a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O MMFDH destinou R$ 40 milhões para a aquisição, embalagem e distribuição dos produtos.

Após a compra e o empacotamento, parte das cestas é entregue diretamente pela Conab nas comunidades quilombolas. O restante é encaminhado para as coordenações regionais da Funai, que é o órgão responsável pela distribuição nas aldeias indígenas.

A ação faz parte do Plano de Contingência para Populações Vulneráveis - anunciado pelo Governo Federal e coordenado pelo MMFDH - que prevê o investimento de R$ 4,7 bilhões em políticas para minimizar os efeitos provocados pela Covid-19.

No âmbito das políticas públicas implementadas, a ministra Damares Alves frisou que o Governo Federal tem somado esforços para combater os efeitos da pandemia. "Esse trabalho conjunto é fundamental para que a gente atenda da melhor forma possível as nossas comunidades indígenas e povos tradicionais. Unidos, não vamos deixar ninguém para trás", ressaltou.