Polícia

Mais um suspeito de crime é linchado por populares no Benedito Bentes

TNH1 | 31/08/20 - 09h59 - Atualizado em 31/08/20 - 10h37
Arquivo

Um adolescente de 16 anos suspeito de roubo morreu depois de ter sido agredido por populares no bairro de Benedito Bentes, parte alta de Maceió, na noite desse domingo (30). De acordo com a Polícia Militar, o corpo dele tinha um ferimento na cabeça. 

O caso aconteceu dez dias após Rafael dos Santos Pereira, 24 anos, o suspeito de estuprar e matar uma adolescente de 13 anos no Parque dos Caetés, no mesmo bairro, ser linchado por populares. Ele foi apedrejado e apresentou múltiplos traumatismos na região da cabeça.

O jovem morto ontem, que não teve o nome divulgado, teria sido alcançado pela população depois de praticar o crime, enquanto a comparsa dele conseguiu fugir. 

Porém, logo depois, os militares do 5º Batalhão confirmaram que a outra suspeita foi encontrada com um revólver calibre 32, com três cartuchos, e um aparelho celular roubado, reconhecida pela vítima do assalto. A também adolescente foi levada para a Central de Flagrantes, no Farol, onde foi autuada por ato infracional análogo a roubo.

O Instituto Médico Legal (IML) esteve no local e recolheu o corpo do adolescente vítima do crime de justiçamento. A assessoria do órgão informou ao TNH1, nesta manhã, que o cadáver ainda vai passar por exame de necropsia. Peritos criminais fizeram os primeiros levantamentos do assassinato e constataram que ele foi morto por objeto contundente.

Mais de 15 pessoas foram mortas em Alagoas por linchamento em 2020

Os últimos linchamentos trouxeram novamente a discussão sobre o crime de justiçamento, quando a população agride um infrator como forma de fazer justiça com as próprias mãos. Em Alagoas, o número de mortos por linchamento, quando a agressão acaba em morte, em 2020, em apenas oito meses, já superou as estatísticas dos anos anteriores. 

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB/AL, Anne Caroline Fidelis de Lima, revelou ao TNH1 que, de janeiro até o dia 21 de agosto deste ano, 68 casos de justiçamento foram registrados pela entidade, e desses, 16 pessoas terminaram em morte. O caso de ontem acrescentou mais um óbito para os dados.

Anos anteriores

De 2014 a 2019, o número de casos de justiçamento havia triplicado no Estado. De 38 registros, com oito óbitos, os crimes saltaram para 123 em cinco anos, com um número maior de mortes também.

Detalhadamente, as estatísticas mostram que houve 38 casos de justiçamentos com oito óbitos em 2014, 36 casos com três mortes em 2015, 35 justiçamentos com seis óbitos em 2016, 81 casos com 15 mortes em 2017, 116 registros com 13 óbitos em 2018, e 123 justiçamentos com 15 óbitos em 2019.