Política

Maranhão confirma eleição de presidente da Câmara nesta quarta-feira

Para ser eleito, são necessários 257 votos. Caso ninguém consiga o número, haverá 2º turno

11/07/16 - 20h49 - Atualizado em 11/07/16 - 20h51
Agência Câmara

Após inúmeras reviravoltas, os deputados chegaram a um entendimento em torno da data definitiva para eleição do sucessor de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara. Segundo o 1º secretário da Casa, Beto Mansur (PRB-SP), após muita conversa e negociações por telefone, o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), marcou a votação para quarta-feira (13), a partir das 16h.

— Marcamos para a quarta-feira, para dar a quem quer ser candidato a possibilidade de se inscrever —  e os 512 deputados têm toda a condição de ser.

Maranhão, que vem sendo criticado por sua atuação no comando da Câmara, não quis revelar em quem vai votar para a sucessão do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

— O voto é secreto.

Antes da reunião da Mesa Diretora, Maranhão se reuniu com Mansur, outro candidato ao posto de presidente da Câmara. Mansur preparou um cronograma da eleição, prevendo início dos trabalhos às 16h e não às 19h, justamente para que o resultado não saia na madrugada.

O parlamentar sugeriu que cada candidato discurse por uma hora, seguindo a mesma sequência dos nomes sorteados que aparecerão na cédula eletrônica. Pela proposta, haverá uma hora de intervalo entre o resultado do primeiro turno e o início da votação do segundo turno com os dois candidatos mais votados.

Regras

A Câmara usará urna eletrônica na eleição de seu novo presidente. Pelas regras propostas, os deputados terão até as 12h de quarta para registrar as candidaturas. Um sorteio definirá, em seguida, a ordem dos deputados na votação, e essa sequência também valerá para a ordem dos discursos no plenário.

Para ser eleito, o deputado precisará da maioria absoluta: 257 votos. Caso ninguém consiga atingir esse número, haverá segundo turno. Em caso de empate, tanto no primeiro quanto em um eventual segundo turno, a disputa será desempatada obedecendo respectivamente aos seguintes critérios: maior número de mandatos e parlamentar mais idoso.

Candidaturas

Nesta segunda-feira, mais dois deputados formalizaram candidatura: Giacobo (PR-PR), 2º vice-presidente da Câmara, e Cristiane Brasil (PTB-RJ), filha do delator do mensalão, o ex-deputado federal Roberto Jefferson.

Mansur também já anunciou que será candidato, mas, até o momento, ainda não oficializou a candidatura.

— Vou registrar até quarta-feira.

O PMDB, com 66 deputados, tem dois nomes até o momento disputando o cargo oficialmente: Marcelo Castro (PI) e Fábio Ramalho (MG). Além destes, há a expectativa do registro de candidatura de mais alguns correligionários do presidente interino Michel Temer. Nos bastidores, circulam os nomes dos deputados Baleia Rossi (SP), Osmar Serraglio (PR), Carlos Marun (MS) e Sérgio Souza (PR) como possíveis candidatos do partido.

Ao lado de Castro e Ramalho, oficialmente já registraram candidaturas os deputados Fausto Pinato (PP-SP), Carlos Gaguim (PTN-TO), Carlos Manato (SD-ES) e Heráclito Fortes (PSB-PI). Também são aguardadas as candidaturas de Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Rogério Rosso (PSD-DF). Há ainda a possibilidade de uma candidatura do PSOL.

Maia tenta costurar o apoio a sua candidatura fora do chamado centrão, tentando aglutinar o PSDB, o PPS e o PSB. Maia tenta ainda o apoio de partidos da oposição, como o PT e o PCdoB. Já Rosso, apesar de negar que esteja na disputa, busca se viabilizar como o candidato de consenso do Planalto.