Polícia

“Merecia pagar pelo que fez”, disse neto após matar avô

30/01/17 - 17h27 - Atualizado em 30/01/17 - 17h51
Reprodução / TV Pajuçara / Facebook

O delegado Tarcísio Vitorino, da delegacia do município de Paripueira, afirmou em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, 30, que testemunhas ouviram Milton Omena Neto dizer que o avô “merecia pagar pelo que fez”, momentos depois o ter assassinado, na última sexta-feira, 27, em uma residência de um condomínio da cidade.

De acordo com o delegado, o neto de Milton Omena Farias teria chegado à residência no início da tarde para tirar satisfações sobre a morte da mãe, a jornalista Márcia Rodrigues Farias. 

“Ele chegou ao local mandando o avô admitir que teria assassinado a mãe dele. O avô respondeu com agressões verbais e o neto o empurrou, iniciando as vias de fato. O avô estava lavando louça, pegou uma faca e foi para cima do neto. Ele apresenta cortes nos braços. Na luta, o neto conseguiu o imobilizar e o atingiu com um único golpe na altura do peito. Depois ainda acertou diversos socos no rosto do avô”, contou o delegado.

Tarcísio afirmou que Milton Omena Neto foi pedir ajuda na portaria do condomínio e que, na chegada da polícia ao local, estaria em estado de choque. Ele foi preso e conduzido para a Casa de Custódia, em Maceió.

Ainda não há informações sobre o que teria motivado a ida do neto até a casa do avô, justamente no dia em que seria apresentado o inquérito da morte da mãe. A polícia confirmou que eles não eram próximos e a relação dos dois era conturbada.

Inicialmente, a coletiva de esclarecimento do inquérito da morte da jornalista Márcia Rodrigues estava marcara para sexta-feira, porém, a nota de divulgação apresentou um erro, relacionando o caso como homicídio. Questionado sobre a possível relação da reação do neto ao erro, o Secretário de Segurança Pública de Alagoas, coronel Lima Junior, afirmou que não há nenhuma ligação.