Nordeste

Músicos de banda baiana denunciam racismo em decoração de hotel

Correio 24 horas | 22/07/19 - 15h05
Reprodução/Instagram

Uma polêmica envolvendo o grupo baiano Àttooxxá chamou a atenção nas redes sociais neste final de semana. Hospedados no hotel Dayrell, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, em Minas Gerais, os integrantes da banda se revoltaram com quadros sobre a escravidão colocados nos quartos onde iriam dormir no sábado (20).

Eles publicaram um vídeo ao vivo no perfil da banda no Instagram reclamando da decoração (veja abaixo). "Fica em cima das camas onde a galera dorme. A decoração do hotel é a escravidão. Para você ficar oprimido. Insulto a nossa raça", disseram os músicos do grupo, se revezando no vídeo. Em um dos quadros que mostraram, é possível ver uma mulher negra levando um tapa na cara. Em outro, há negros carregando mulheres brancas. 

No vídeo, eles explicaram que retiraram os quadros dos quartos e que avisaram na recepção do hotel. Nas imagens, os músicos dizem que avisaram a direção sobre o ocorrido, mas que receberam a resposta para mandar um e-mail. Os artistas retrucaram dizendo que iam resolver na hora e chutaram alguns quadros.

"Quem for responsável por isso deve pensar assim até hoje, deve pensar dos seus funcionários e pensar assim dos negros", disseram no vídeo. 

A banda baiana tocou neste domingo (21) na Virada Cultural, na praça da Estação. Eles falaram sobre o episódio durante o show e pediram para as pessoas cuidarem umas das outras. 

"A gente acredita que se as imagens estivessem em um museu, mas não, estavam decorando o hotel e sobre as nossas camas. Você vê a decoração. A gente falou com o cara do hotel e falamos que não ia dormir com eles. Gente atenção esse período já passou. Quem se orgulha disso? Ninguém se orgulha. Vamos cuidar mais um dos outros e quem tá do nosso lado vamos dar as mãos", disse Rafa Dias, um dos integrantes da banda após a apresentação. 

Resposta do hotel 
O jornal O Tempo entrou em contato com o hotel, mas foi informada pelo atendente que não havia ninguém para comentar o assunto.

"