Brasil

Pequenos empresários são afetados por pane no WhatsApp e Instagram

G1 | 04/10/21 - 16h53 - Atualizado em 04/10/21 - 17h12
Reprodução

Pequenos empreendedores que vendem seus produtos e serviços pelo WhatsApp e Instagram estão com dificuldades para trabalhar nesta segunda-feira (4), afetados pela instabilidade dos aplicativos. Internautas em todo o mundo estão relatando dificuldade para acessar os serviços - todos eles pertencem ao Facebook.

Confira algumas histórias de pessoas que tiveram problemas com seus negócios por conta da queda dos serviços.

'Esqueci que podia ligar', diz advogada

Para a advogada Tatiana do Amaral, de 41 anos, a queda no serviço foi de risco à saúde. Ela teve um pico de açúcar no sangue e tentou pedir ajuda para o pai por WhatsApp, mas a mensagem não chegou e ela desmaiou.

“Foi muito rápido. Acabei mesmo nem pensando em ligar. O Dumping é um pico de açúcar que causa efeitos parecidos com a hipoglicemia, então os efeitos dele são meio fortes. Eu estava no quarto e mandei pedido de ajuda pelo WhatsApp para o meu pai que estava vendo TV na sala, já que moramos em um sobrado. Ele não viu e eu apaguei... Acordei faz 5 minutos. Risco de vida não sei, mas como apaguei, ao menos corri risco de ficar com sequelas sim, porque o desmaio é falta de oxigenação no cérebro”, conta.

A consultora de vendas Marina Paiva, que não pode trabalhar na tarde desta segunda-feira (4) por causa da interrupção do serviço de WhatsApp. — Foto: Arquivo Pessoal/Divulgação

'Foi terror e pânico', diz empresária do DF que vende marmitas pela internet

A chef de cozinha Daniella Goulart vende marmitas pelo Plano Piloto, em Brasília, e diz que ficou desesperada com a queda do WhatsApp. A falha começou perto da hora do almoço, momento de auge dos pedidos em restaurantes.

"Foi terror e pânico. Vivemos o caos hoje. Posso dizer que 99% dos meus clientes pedem comida pelo WhatsApp, e ele parou justamente na hora mais pesada do meu delivery. Até agora não sei o tanto de pedidos que perdi", afirma. Daniela faz, em média, 60 marmitas durante a semana. "Meu prejuízo foi superior a 60% com certeza", avalia. Ela afirma que o episódio serviu para que pense em novas estratégias.

Daniela Goulart, proprietária do restaurante Total Cheff, que entrega marmitas na Octogonal, no DF — Foto: Arquivo pessoal

'Deixei de vender umas 20 marmitas'

Um restaurante que vende marmitex por delivery no bairro Santa Cruz, na Região Nordeste de Belo Horizonte, deixou de vender para cerca de 20 clientes no horário do almoço – o WhatsApp está fora do ar desde o começo da tarde. A empresa ainda não está presente em aplicativos de entrega de comida e precisa da ferramenta para divulgar e vender os produtos.

"A gente faz o cardápio e manda todo dia para 400 pessoas pelo WhatsApp. Quem tem o número fixo, liga, mas geralmente os clientes pedem mesmo por mensagem. As vendas foram bem mais fracas", diz a sócia do estabelecimento, Edna Reis.

Está desesperador

“Eu estou precisando fazer um monte de coisas do meu negócio e não consigo. Tá desesperador. Posso te garantir que tem milhares de pessoas que vendem pelo Instagram e também estão desesperadas nesse momento”, conta Adriana Marinho, dona da Berenix, loja virtual de lingeries e pijamas.
Quase 100% das compras no site da marca são feitas a partir das postagens no Instagram e pelo WhatsApp. Ela conta que estava em contato com várias clientes e esperando o pagamento de algumas delas para fazer a entrega dos produtos ainda hoje pelos Correios.

“Preciso separar pedidos, confirmar pagamento, fora que não sei quem recebeu minhas mensagens. A conexão com os clientes tá totalmente parada”, diz Adriana.

Julia Barbosa vende pães de fermentação natural em São Paulo. Ela recebe as encomendas exatamente às segundas-feiras, até às 18 horas, e faz as entregas às quartas e sextas. Quando percebeu que o WhattsApp não estava funcionando, ficou sem saber o que fazer.

“Percebi que essa é a minha principal ferramenta de trabalho. Fiquei paralisada. Agora pedi ajuda para meu filho e vamos ligar para os clientes que já estavam em contato. Mas não tenho como ligar para todos”, explica Julia. A empreendedora chega a receber até 20 pedidos em uma segunda normal e faz as compras dos ingredientes de acordo com a demanda.