Polícia

Polícia apresenta 13 pessoas supostamente envolvidas com facções criminosas

13/02/17 - 18h22 - Atualizado em 13/02/17 - 18h29
João Victor Souza*

Após uma operação integrada entre a Polícia Civil e a Polícia Militar no bairro do Vergel do Lago, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) de Alagoas apresentou no fim da tarde desta segunda-feira (13), no estacionamento da sede, localizada no Centro de Maceió, 13 suspeitos de envolvimento com facções criminosas que estariam relacionadas à queima de ônibus, tráfico de drogas, homicídios e um confronto entre facções na Grota do Rafael, no bairro do Jacintinho.

A “Operação Vergel”, que segue em andamento, teve início no mês de novembro. Participaram das investigações diversos setores da cúpula de Segurança de Alagoas, como o Batalhão de Operação Policiais Especiais (BOPE), o Batalhão de Rádiopatrulha (RP), o 1º Batalhão de Polícia Millitar (1º BPM) e o serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública. Além disso, a ação contou com o apoio da Delegacia de Repressão ao Narcotráfico (DRN), da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), da Delegacia de Roubos da Capital (DERC), da Operação Policial Integrada Litorânea (Oplit), e do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (TIGRE).

Ao todo, foram presas 16 pessoas que estariam ligadas a grupos relacionados a duas facções criminosas. Também foram apreendidas aproximadamente 20 kg de drogas, além de 16 armas de fogo. Cinco indivíduos ainda estão foragidos.

Foram apresentados Cynthya dos Santos Oliveira Vieira, de 22 anos; Eduardo Henrique Rodrigues dos Santos, de 19 anos; Velton Vivente Dias Ferreira, vulgo “Peixe”, de 18 anos; Fábio da Silva, vulgo “Fabinho”; Keila dos Anjos, de 31 anos, João Victor Maia Lima, de 20 anos, Janaína Lacerda de Oliveira, de 26 anos, Karine Emanuelle Soares Pinheiro, de 32 anos, e Nilson Diógenes Mendes da Silva, vulgo “Mago”, de 24 anos.

De acordo com a polícia, quatro homens que foram apresentados eram reeducandos, são eles: Jorge dos Santos Calheiros, vulgo “Jorginho”, de 34 anos, Welton Jhon Santos de Mendonça, vulgo “Ton Ton”, de 31 anos, Anderson Batista dos Santos, de 25 anos, e José Cláudio Ricce, vulgo “Ratão”, de 40 anos, este último líder de um dos grupos.

Lucas Cícero da Silva, vulgo “PCC Clima Bom”, de 20 anos, foi preso durante a “Operação Vergel”, mas devido a um mandado de prisão de quando ele era menor de idade, o jovem se encontra na Unidade de Internação de Menores (UIM). Além dele, Franklin Matias Pereira, vulgo “Justino” ou “Romário”, de 34 anos, e Lays Priscilla Lopes dos Santos, de 28 anos, foram liberados por conta de uma audiência de custódia. 

Cinco pessoas morreram após resistirem à prisão. Um deles, Michael Fabricio dos Santos, vulgo Paulista, era líder de outro grupo criminoso que confrontava a facção comandada por "Ratão".