Polícia

Polícia divulga organograma de grupo criminoso morto em operação no Agreste

Com PC/AL | 20/09/19 - 08h09 - Atualizado em 20/09/19 - 09h03
Divulgação / PC-AL

A Polícia Civil divulgou nesta sexta (20) o organograma do grupo de assaltantes que foi morto em uma ação policial no dia 02 de setembro, em Girau do Ponciano, quando se preparava para assaltar uma agência bancária na cidade, segundo apontaram as investigações.

As apurações da Seção Especializada de Repressão a Roubo a Bancos, comandada pelo delegado Cayo Rodrigues, mostraram que o grupo tinha dois líderes: Sérgio Luiz de Souza, o Juca, e Edvan Gomes da Silva, conhecido como Bola ou Mago, ambos morreram.

Sérgio era pernambucano, tinha 45 anos, e estava foragido da Penitenciária Professor Barreto Campelo, em Pernambuco, desde 2015, quando passou a utilizar nome falso. Ele respondia a processos por extorsão mediante sequestro, roubo majorado, tentativa de homicídio e tráfico de drogas.

Edvan também era pernambucano, tinha 30 anos, e atuava como explosivista. Ele estava foragido do Presídio Professor Aníbal Bruno, em Pernambuco, desde 2011, quando também passou a utilizar nome falso. Tinha quatro mandados de prisão em aberto e respondia a processos por roubo qualificado, formação de quadrilha, homicídio, tráfico, posse de arma, porte de arma e uso de documento falso.

Os demais integrantes, identificados pela polícia na organização, eram:

José Humberto Brasileiro - pernambucano, 44 anos, atuava como explosivista, e respondia a processos por roubo, tentativa de roubo majorado, formação de quadrilha, uso de documento falso, resistência;

Bruno Santiago (Bruno Cabeção) - pernambucano, 33 anos, respondia a processos por posse de arma, falsificação de documento, tentativa de homicídio qualificado, homicídio qualificado, lesão corporal na Lei Maria da Penha, posse de arma de uso restrito e formação de quadrilha;

Sílvio Ricardo Queiroz dos Santos - pernambucano, 27 anos, respondia a processos por posse/porte de arma de fogo de uso restrito, porte de arma de uso permitido, tentativa de homicídio qualificado, tráfico de drogas, formação de quadrilha, resistência e desobediência;

Juliano Araújo de Sá - pernambucano, 31 anos, respondia a processos criminais por porte de arma e receptação;

Michel de Sousa Lima (Gordo) - paraibano, 31 anos, atuava como explosivista, respondia a processos criminais por roubo majorado, furto, porte de arma, receptação, falsificação de documento público e formação de quadrilha;

Raphael Oliveira Silva - paraibano, empresário em Campina Grande (PB), onde possuía vínculo com conhecidos assaltantes de banco;

Thalyson Jeyms de Moura Severiano (Apocalipse ou Palhaço) - potiguar, 28 anos, atuava como explosivista, respondia a processos por roubo majorado, porte de arma e receptação.

Presos

O grupo tinha mais dois integrantes, que sobreviveram após fugirem da abordagem em Girau do Ponciano. Rafael Maia e Diego Pinto foram presos no dia seguinte em uma pousada em Arapiraca.

Rafael é pernambucano, tem 33 anos e responde a processos por roubo majorado, furto, porte de arma, receptação, falsificação de documento público, formação de quadrilha.

Diego, também pernambucano, 36 anos, é apontado como financiador da organização criminosa e responsável pela logística. Responde a processos por apropriação indébita, estelionato, falsidade ideológica e associação criminosa.