Polícia

Polícia Federal apura participação de bancários em desvio de recursos do Pronaf

Eberth Lins com TV Pajuçara | 02/12/21 - 12h36 - Atualizado em 02/12/21 - 12h49
Delegado Eduardo Jorge Ferreira de Oliveira, coordenador da operação Pasto de Papel | Foto: Reprodução / TV Pajuçara

A Polícia Federal (PF) está investigando a participação de gerentes de agências bancárias em um esquema que desviava recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) nos municípios de Mata Grande, Olho D' água das Flores e Delmiro Gouveia, no interior de Alagoas.

"As circunstâncias indicam que pode ter havido participação ainda que pela falta de cuidado nas análises de processos de financiamento", adiantou o delegado Jorge de Oliveira, da PF, que coordena a operação denominada Pasto de Papel. Agora, a Polícia Federal quer saber se agentes públicos receberam vantagens para facilitar a concessão do crédito, que deveria ser destinado somente a pequenos agricultores.

Após denúncia de uma agência bancária, a PF identificou que um grupo fazia uso de documentos falsos para simular pertencer à categoria de pequenos agricultores e fazer empréstimos com juros baixos. "As investigações indicam que um determinado grupo, através de simulações de contratos de promessa de compra e venda, comodato e de outras formas capazes de sugerir titularidade de uma propriedade rural, além de outras fraudes na instrução dos pedidos de financiamento, logrou êxito em obter a liberação dos recursos", informou a polícia.

Na prática, os recursos que eram obtidos como incentivo para o fortalecimento da agricultura, eram utilizados para finalidades não compatíveis. "Em grande parte dos casos investigados, o dinheiro circulava entre os membros da própria associação criminosa ou eram transferidos para terceiros, que aparentemente não tinham qualquer atividade profissional que justificasse as transferências", disse a Polícia Federal.

Os contratos investigados somam R$ 1,5 milhão e, até o momento, os empréstimos obtidos de forma irregular estão sendo pagos aos bancos.