Futebol Nacional

Presidente do Avaí questiona teste de Valdivia e pede anulação do jogo contra o CSA 

Uol | 17/01/21 - 11h29 - Atualizado em 17/01/21 - 11h31

Após ser comunicado sobre o resultado positivo de Valdivia, durante a partida contra o CSA neste sábado (16) em Maceió, o Avaí busca um novo laboratório na capital alagoana para a realização de uma contraprova. A decisão partiu do próprio presidente do clube, Francisco José Battistotti, que levanta suspeitas sobre o resultado e os procedimentos adotados pelo laboratório. O dirigente também pedirá a anulação do jogo à CBF - a partida terminou com placar de 1 a 1. 

"O Avaí entende que houve interferência externa no jogo. Nós fizemos os exames para a partida contra o CSA no dia 12 e recebemos a resposta que todos foram negativados. Hoje, pela manhã, o laboratório foi colher o exame dos meus jogadores para o jogo contra o Juventude. Depois, recebi a informação de que o laboratório pertence a um membro do conselho do CSA. O que mais me estranha é que o laboratório não enviou a resposta para o meu médico. Uma pessoa do laboratório telefonou para o representante da CBF comunicando-o que o Valdivia havia testado positivo. Agora, estamos pedindo uma contraprova para ver a veracidade do teste. Não se pode comunicar a terceiros, nós é quem temos de receber o resultado e mais ninguém", afirmou em entrevista por telefone com o UOL Esporte.

"Isso tirou o meu melhor jogador de campo. Nós perdemos uma substituição por uma interferência enorme na partida. Os advogados já estão estudando a anulação da partida, uma vez que houve interferência externa e essa comunicação não pode existir", completou.
O laboratório que Battistotti se refere é o Lufer Laboratório de Análises Clinicas LTDA, que tem como sócio administrativo Jose Lumário Vasconcelos Rodrigues, superintendente de futebol e membro do Conselho Deliberativo do CSA. A reportagem tentou obter um pronunciamento do dirigente sobre as acusações, mas ele se recusou a atender às ligações.

O UOL teve acesso ao exame realizado pela Lufer Laboratório, assinado e liberado pela dra Daniele Cabral Correia Alves de Oliveira, que aponta "presença do RNA de Coronavírus SARS-CoV-2" no paciente Wanderson Ferreira de Oliveira, o Valdivia, através do swab de nasofaringe. O teste foi realizado para atender a exigência da CBF, que prevê a testagem 72h antes da partida - o Avaí joga com o Juventude na terça (19), na Ressacada. Antes da viagem para Maceió, na coleta foi feita no dia 11 pelo laboratório BiomeHud Pesquisa e Desenvolvimento, a presença do vírus não foi detectada no jogador.
A reportagem também pediu um posicionamento à assessoria de imprensa do CSA, mas até o fechamento desta matéria, não foi atendida.