Alagoas

Promotor de Justiça diz que evacuação do Pinheiro precisa ser mais ágil

Redação do TNH1 com Assessoria | 19/03/19 - 09h28 - Atualizado em 19/03/19 - 09h28
Arquivo

O Ministério Público Estadual de Alagoas (MPE/AL) vai expedir uma recomendação, nesta terça-feira (19), para que a Prefeitura de Maceió, por meio da Defesa Civil Municipal, faça a evacuação imediata de toda a área vermelha do bairro do Pinheiro, considerada de alto risco. O órgão recomenda ainda o corte no fornecimento de energia elétrica e água nos imóveis que ficam nessas áreas.

De acordo com o promotor José Antônio Malta Marques, que falou sobre a recomendação em entrevista ao programa Balanço Geral, da TV Pajuçara, a desocupação deve ocorrer de forma mais rápida, tanto que há também a recomendação de isolamento dessas áreas, inclusive do tráfego de veículos, após serem isoladas.

O promotor informou ainda que a recomendação, que será encaminhada ao prefeito Rui Palmeira e ao coordenador da Defesa Civil Municipal, Dinário Lemos, será baseada na constatação feita pela força-tarefa do Ministério Público, que detectou que ainda há muitos moradores e empresas na região considerada com maior risco de acidentes geológicos, denominada de área vermelha.

Na recomendação constará ainda que os imóveis das áreas laranjas e amarelas deverão ser evacuados ao início do período chuvoso mais intenso. O promotor disse que há um inquérito civil instaurado há mais de um ano onde já havia uma recomendação de evacuação das áreas de risco dos bairros afestados.

“Essa evacuação já começou, mas ocorre de forma muito tímida. Ontem em visita ao bairro constatamos que ainda há movimentação muito grande de moradores e comércio e como há uma recomendação, ainda do ano passado, para desocupar o bairro queremos fazer isso de forma mais célere”, afirmou.

Mancha no radar da Ufal

Após intervenção da força-tarefa do MPE/AL, foi resolvido o problema que estava atingindo o radar meteorológico da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). A instituição de ensino, que está sendo parceira do Ministério Público para estudos relacionados ao bairro do Pinheiro, tinha comunicado que o equipamento estava 30% comprometido com relação a detectar, com pelo menos oito horas de antecedência, a previsão de chuvas para Maceió.

“Fizemos gestão junto a Secretaria Estadual de Ressocialização e Inclusão Social e explicamos que o bloqueador de celular instalado no sistema penitenciário estava interferindo no radar meteorológico, comprometendo o seu perfeito funcionamento e provocando uma mancha em parte das imagens capturadas pelo aparelho. Após o nosso pedido para a resolução do problema, tudo foi sanado e o radar voltou a funcionar 100%. Isso foi importante porque, quando houver uma previsão de chuvas fortes, os moradores poderão ser alertados para que saiam de suas casas”, informou Malta Marques.

O coordenador do Caop também disse que o vai recomendar ao Estado firmar uma convênio com a Ufal para que esse monitoramento possa ocorrer de forma mais sistemática e com novos profissionais, de modo que as respostas possam ser dadas de forma ainda mais célere à população.