Alagoas

Prorrogação do decreto: Renan Filho estuda reabertura gradual do setor produtivo

Ana Carla Vieira | 28/05/20 - 12h01 - Atualizado em 28/05/20 - 12h21
Reprodução/Youtube

A prorrogação do decreto estadual de medidas de isolamento em Alagoas foi citada várias vezes pelo governador do estado, Renan Filho (MDB), em uma entrevista online concedida na manhã desta quinta-feira (28). O governador revelou ainda que estuda a possibilidade de implantar medidas de relaxamento do setor produtivo.

A entrevista foi dada ao jornal Valor Econômico, e Renan Filho afirmou que tem discutido a possibilidade de retomada gradual com a comunidade médica e a sociedade civil organizada. "Provavelmente vamos prorrogar o decreto. Estamos discutindo se há possibilidade de iniciar de maneira segura medidas de relaxamento do setor produtivo", afirmou Renan Filho.

"Nós podemos endurecer as medidas para algum segmento e podemos iniciar o retorno à normalidade em alguns outros setores que não atrapalhem as medidas de isolamento nesse momento e não facilitem a propagação do vírus e de novos casos", disse Renan Filho.

Apesar do número de casos de Covid-19 ter aumentado consideravelmente em Alagoas, o governador disse que o estado não chegou ao colapso na rede de saúde que outros estados chegaram, mas que o avanço em cidades do interior é o que preocupa no momento. "Tenho mantido contato com o ministro interino da saúde, Eduardo Pazuello, e ele constatou também que em algumas regiões metropolitanas do Norte e do Nordeste a curva de contágio começa a crescer em velocidade menor. O problema é a aceleração no interior dos estados. Por isso, a gente pode mudar as medidas de isolamento", cogitou o governador. 


Índices de isolamento

De acordo com o que disse o governador Renan Filho, o estado de Alagoas figurou ontem (27) como o 8º em maior índice de isolamento no Brasil. A capital, Maceió, teve o 7º maior isolamento entre as captais brasileiras. "Quando o número de casos e de mortes se eleva, as pessoas tem mais clareza da realidade. Parece que cai a ficha e o cidadão passa a se preservar mais e a preservar mais a sua família", enfatizou. 

Questionado mais uma vez sobre a possibilidade de adotar o lockdown no estado, Renan Filho lembrou que a medida adotada em outros locais do Brasl não atingiu, necessariamente, os índices ideias de isolamento. "Isso significa que nem sempre o nome da medida adotada é tão eficaz como se imagina que seja", disse o governador.

Acompanhe a entrevista completa:

Interlocução de AL com o novo ministro interino da saúde

Renan Filho falou também sobre o crescimento dos casos no Nordeste e a troca de ministros da saúde. "O ministro Pazuello tem tentado se aproximar mais dos secretários estaduais. Eu, sinceramente, tenho buscado uma interlocução mais próxima a ele. Nos últimos dias, a pandemia cresceu mais no Nordeste do que em outras regiões e nós recebemos, pela primeira vez, 15 respiradores convencionais e 15 respiradores de ambulância. Eu agradeci ao ministro mas precisamos de mais", disse.

Recursos Federais

O chefe do executivo de Alagoas destacou também a perda de receita no estado, em virtude da pandemia. "Nós perdemos, em abril, em torno de 10% de arrecadação. A tendência em maio é uma perda de 21% da receita. Os recursos que estamos recebendo do Governo Federal é uma recomposição parcial. A perda não será 100% recomposta com os recursos que estão sendo disponibilizados", afirmou Renan Filho, acrescentando que só na saúde foram R$ 100 milhões de reais a mais de despesas no estado.