Mundo

Quatro policiais são mortos e sete ficam feridos em protesto em Dallas

08/07/16 - 06h01 - Atualizado em 08/07/16 - 06h12
Reprodução / agências internacionais

Ao menos dois atiradores abriram fogo contra policiais em Dallas no Texas (EUA), na noite desta quinta-feira, matando quatro agentes e ferindo outros sete durante um protesto contra duas mortes de homens negros devido à violência policial, informaram autoridades locais. 

O chefe de polícia de Dallas, David Brown, disse a repórteres que os atiradores agiram contra os policiais como se estivessem em uma "emboscada". 

A polícia também informou, em comunicado, que três suspeitos estão sob custódia e uma quarta pessoa estava resistindo a tiros ao cerco das autoridades. Além disso, um pacote suspeito estava sendo analisado por um esquadrão antibomba. 

A polícia estava negociando com o suspeito em um estacionamento no centro de Dallas nas primeiras horas desta quinta-feira. Ele afirmou que pretendia matar mais policiais, segundo Brown. 

O tiroteio começou na noite de quarta-feira, enquanto centenas de pessoas estavam reunidas protestando contra a violência policial em Baton Rouge, Louisiana, e no subúrbio de St. Paul, em Minnesota. 

Os protestos em Dallas estão entre vários que ocorreram ao redor dos Estados Unidos após um policial de Minnesota ter matado a tiros Philando Castile, um homem negro, enquanto ele estava em seu carro com uma mulher e uma criança em um bairro de St. Paul. Os acontecimentos logo após o policial ter atirado em Castile foram filmados e amplamente compartilhados em um vídeo no Facebook. 

Um dia antes, Alton Sterling também foi morto a tiros no estado de Louisiana após ser enquadrado por dois policiais brancos. O fato também foi filmado. 

Imagens dos protestos em Dallas mostram o momento em que começou o tiroteio, com as pessoas procurando abrigo. Segundo Brown, os atiradores pareciam ter "planejado alvejar e matar o maior número de policiais possível". 

A busca pelos atiradores se prolongou pelo centro de Dallas, uma área repleta de hotéis, restaurantes e comércio. A cena era de caos, com helicópteros sobrevoando o local e policiais com rifles automáticos nas esquinas.