Polícia

Queremos saber de onde partiu o tiro, diz irmão de motociclista morto em Cruz das Almas

Dayane Laet | 23/09/19 - 11h00 - Atualizado em 23/09/19 - 11h01
Marcos foi morto com um tiro na barriga | Arquivo Pessoal

Desde as primeiras horas da manhã desta segunda-feira (23), o corpo de Marcos Firmino dos Santos, de 34 anos, o motociclista morto ontem no bairro de Cruz das Almas, é velado em uma central funerária na Praça da Faculdade, no bairro do Prado, em Maceió. O homem passava de moto pela Avenida Gustavo Paiva quando uma tentativa de assalto ocorria e, segundo informações preliminares levantadas pela polícia no local, um segurança teria confundido Marcos com um dos bandidos e disparou. Ele foi ferido na barriga e morreu antes da chegada do socorro, ainda na pista, no sentido Centro.

A dor dos familiares só foi abafada pelo clima de revolta que envolvia a todos durante a despedida. “Queremos saber quem atirou, de onde partiu o tiro para que essa pessoa seja punida”, desabafou o irmão de Marcos, Adelson Ferreira dos Santos. “Isso não vai trazer meu irmão de volta, mas teremos o consolo que a justiça foi feita”, disse ainda, emocionado.

“Ele ia buscar a esposa no trabalho, no Stella Maris, como fazia todos os dias. Só estava no local errado e na hora errada”, conta Adelson. “Quando chegamos no local que tudo aconteceu, percebemos que ele estava sendo tratado como bandido, mas ele não era. Meu irmão era um ótimo pai de família e trabalhava na mesma empresa há 12 anos. Além da dor da perda, ainda tivemos de enfrentar gente filmando o corpo do Marcos, falando mentiras, dizendo que ele era assaltante”, disse Adelson, revoltando. “Não é facil perder um parente assim. O que mais doeu foi ver essa mentira se espalhar pelas redes sociais. Nem o nome sujo ele tinha”, observou.

Adelson lamentou a perda e pede por justiça / TNH1

No velório, era possível ouvir o lamento da esposa de Marcos, que era pasteleiro de uma padaria próximo ao local onde foi morto. Muito abalada, ela repetia que não sabia o que seria dela e dos filhos do casal. “Ele tinha cinco filhos, um casal de gêmeos, de um ano e meio, um menino de três anos e duas meninas maiores”, contou Adelson. “Quem vai cuidar e amparar meus sobrinhos agora?”, questionou. “Infelizmente mais uma vida que se foi, mais um pai de família morto”.

Marcos tinha largado do trabalho horas antes e ido para casa, no conjunto Santo Onofre, no mesmo bairro onde tudo ocorreu. Em seguida, foi buscar a esposa de moto, quando foi atingido pelo disparo.

O segurança apontado pela polícia como o autor do disparo fugiu do local quando percebeu que tinha se enganado, temendo a reação popular, segundo informou a PM ao TNH1.

A Delegacia de Homicídios vai investigar o caso.