Brasil

Renan Filho e demais governadores do Nordeste debatem demandas em Brasília

Gilson Monteiro e Ana Karoline Lustosa | 06/02/19 - 15h31 - Atualizado em 06/02/19 - 16h33

Renan Filho e demais governadores do Nordeste se reuniram nesta quarta-feira, 06, em Brasília, no chamado Fórum dos Governadores para tratar uma extensa pauta que será discutida com o governo federal. Na lista estiveram revisão tributária, prorrogação do Fundeb, ampliação da participação financeira do governo federal na educação básica, reforma da Previdência, e o desbloqueio das operações de crédito dos estados.

Ao final do encontro foi divulgada a Carta dos Governadores do Nordeste, que elenca as propostas e reivindicações dos gestores nordestinos.

Logo após a reunião, o govenador de Alagoas concedeu entrevista à repórter Ana Karoline Lustosa, da TV Pajuçara. Renan Filho, destacou a necessidade de mudanças na previdência social.  

“É consenso que  o Brasil precisa de mudanças no sistema previdenciário. Precisamos avançar para que haja sustentabilidade, especialmente combatendo privilégios, aproximando a previdência pública da previdência privada,  e estabelecer uma idade mínima um pouco mais elevada, dado que o povo brasileiro a cada ano está vivendo mais”, disse o governador.

“A idade geral deve subir, mas é claro que a mulher ela tem uma jornada maior, pois além do trabalho ela ainda trabalha organizando a casa”, ressaltou.

O governador ainda anunciou que nos próximos dias 19 e 20 essas e outras pautas voltam a ser discutidas no Fórum dos Governadores do Brasil.

De acordo com o governador do Piauí, Wellington Dias, que comandou o encontro, as mudanças na legislação precisam prever tratamento especial para os mais pobres, garantindo direitos fundamentais de natureza previdenciária no campo e nas cidades.

Confira o texto da Carta dos Governadores na Nordeste.

CARTA DOS GOVERNADORES DO NORDESTE

Brasília, 6 de fevereiro de 2019

Os Governadores do Nordeste, reunidos nesta data, vêm se manifestar sobre temas de grande importância para o Brasil, nos seguintes termos:

1. Consideramos imprescindível debate cuidadoso sobre a Reforma da Previdência, a fim de que haja soluções imediatas para os déficits existentes. Contudo, registramos preocupação com medidas que impeçam o acesso dos mais pobres a direitos fundamentais de natureza previdenciária, no campo e nas cidades.

2. Do mesmo modo, consideramos que projetos de lei sobre Segurança Pública devem ser discutidos, evitando medidas puramente simbólicas, que não melhoram realmente a vida da população. É vital o cumprimento das regras sobre o Sistema Único de Segurança Pública e sobre o Fundo Nacional de Segurança Pública. Também assuntos como a ampliação de penitenciárias federais em todos os estados, o controle das fronteiras internacionais, o combate ao tráfico de armas e ao comércio ilegal de explosivos são urgentes e têm impacto real. Esses itens são relevantes para os cidadãos de todo o Brasil e por isso não podem ser abandonados.

3. Alertamos ser inadiável encaminhar a proposta sobre o Novo Fundeb, uma vez que o fim do atual Fundeb trará gravíssimos danos à Educação Nacional.