Maceió

Usuários do transporte público reclamam da falta de ônibus em bairros da parte baixa de Maceió

Thayla Paiva | 26/11/21 - 11h40 - Atualizado em 26/11/21 - 12h37
Arquivo

Os moradores dos bairros Vergel do Lago, Trapiche da Barra e Pontal da Barra, situados na parte baixa da capital alagoana, reclamam da falta de assistência do transporte público depois da suspensão da operação da empresa Veleiro, que já dura quase três meses. Ainda não houve definição sobre a continuidade do serviço.

Como as principais linhas de cobertura para essas localidades eram contempladas pela Veleiro, a Prefeitura, através da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), definiu que as outras empresas de ônibus deveriam realizar os trajetos, com ampliação de itinerário, para não deixar a população sem assistência. Mas os moradores procuraram a reportagem para criticar a prestação do serviço.

"Eu moro no Joaquim Leão e tenho que ir andando até o Vergel, o que leva aproximadamente de 20 a 30 minutos, somente para pegar o primeiro ônibus. Aí eu desço no Mercado [da Produção], para pegar outro ônibus para poder ir até a Ponta verde e finalmente trabalhar. Eu trabalho em casa de família, preciso chegar na hora”, afirmou Ariane Silva.

Além do tempo de espera, os moradores destacaram que a integração só contempla uma passagem por dia. "No final do dia, acabamos pagando por três passagens e, às vezes quatro, o que antes eram somente duas", continuou. 

Para Anderson Cleiton, morador do Conjunto Virgem dos Pobres, a situação não é diferente. O embarque para mais um dia de serviço agora só acontece depois dele caminhar por 40 minutos para chegar em um ponto de ônibus. Anderson é responsável pela abertura e fechamento de uma loja, também no bairro da Ponta Verde.

“Isso não pode acontecer, porque antes eu pegava um ônibus para ir e outro para voltar, agora eu pego dois ônibus, além de tudo o ônibus sai muito cheio. Às vezes, vou do Centro da cidade até a minha casa a pé”, disse.

O TNH1 entrou em contato com a SMTT e foi informado de que as linhas atendidas pela Veleiro seguem sendo auxiliadas pelas outras empresas. "A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (SMTT) informa que as linhas que eram atendidas pela Veleiro estão sendo atendidas pelas outras empresas de ônibus da capital. O órgão ampliou ainda o itinerário de linhas e novas integrações passaram a funcionar para reduzir os transtornos à população, evitando que os usuários fiquem desassistidos", mostra o comunicado.

As linhas, que antes circulavam e atendiam aos moradores dos bairros da parte baixa, eram: Circular 1, Circular 2, Pontal/ Ufal, Trapiche/ Ufal, Pontal/ Iguatemi, Vergel/Jatiúca, Usineiros/ Trapiche, Joaquim Leão/Ponta Verde, Joaquim Leão/ Feitosa, Santo Eduardo/Avenida e Cruz das Almas/Trapiche.

Pedido de extinção do contrato da Veleiro - Na última quarta-feira, 24, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário de Alagoas (Sinttro-AL), Sandro Régis disse que ficou decidido, em reunião do Conselho Consultivo da SMTT, que a Prefeitura de Maceió deve pedir a extinção do contrato com a empresa Veleiro. O encontro contou com a participação de representantes da empresa e da Prefeitura de Maceió, além de rodoviários e estudantes.

A intenção da reunião foi avaliar um relatório produzido pela Veleiro, onde a empresa justificou que está passando por uma situação difícil. A empresa teria feito uma proposta à SMTT para voltar a operar em Maceió, com 16 ônibus no sistema de transporte e pagando diárias aos motoristas. A decisão, no entanto, cabe à Prefeitura de Maceió.

A empresa ainda não se manifestou sobre a situação, e a reportagem deixa o espaço aberto.