Alagoas

Vídeo: Corpo de Bombeiros dá dicas de como se proteger de ataque de abelhas

João Victor Souza | 09/09/19 - 15h58 - Atualizado em 09/09/19 - 16h45
Corpo do homem foi encontrado na piscina | Grupamento Aéreo

Na tentativa de fugir de um ataque de abelhas, um homem escolheu uma saída que lhe custou a vida, no último sábado, 07, em Santana do Ipanema. Ao pular numa piscina de uma residência para tentar enganar o enxame, o pedreiro Sinésio Rosa da Silva, de 54 anos, foi ferroado diversas vezes no rosto ao emergir na água para respirar. Ele não resistiu à investida dos insetos e morreu afogado. 

Mas, afinal, qual o procedimento a ser feito para se livrar da fúria das abelhas? O TNH1 entrou em contato com o Corpo de Bombeiros, nesta segunda-feira, 09, para saber as recomendações de proteção das agressões dos insetos.

O tenente Oliveira, do Corpo de Bombeiros Militar de Alagoas (CBM-AL), revelou que a vítima deve correr em zigue-zague, proteger o rosto e o pescoço das ferroadas, e não gritar, pois as abelhas são insetos extramemente sensíveis a ruídos. 

"Se existe algum tipo de colmeia de vespas ou abelhas, que te causa incômodo, mas não existe o ataque iminente, você deve chamar o apicultor para que faça a retirada da colmeia em segurança. Caso exista o ataque, você deve correr em zigue-zague, proteger o pescoço, e proteger também o rosto, que são as partes sensíveis, e nunca gritar", disse.

Ele também explicou que, em caso de ferimento, a vítima deve ser levada para um hospital de referência e não deve retirar o ferrão do corpo, pois existe a possibilidade de injetar ainda mais a toxina. Além disso, ela deve ficar atenta a sinais de reações alérgicas e informar no atendimento médico.

Oliveira também ressaltou que os ataques podem acontecer tanto nas áreas urbanas quanto nas zonas rurais e em duas situações. "Ou os insetos estão em trânsito, onde eles permanecem um, dois ou três dias dentro daquela localidade e depois procuram outro local que tenha mais recursos, ou eles chegam naquele local, se instalam e ali permanecem", relatou o tenente.

Ainda segundo ele, o Corpo de Bombeiros atende em torno de 30 a 40 chamados por mês de vítimas de ataques de abelha. Até o mês de setembro, a corporação já havia registrado 230 ocorrências com abelhas.

Homem morre afogado após ataque de abelhas

O pedreiro Sinésio Rosa da Silva, de 54 anos, foi encontrado morto, com diversas marcas de ferroadas no rosto, numa piscina dentro de uma casa no Povoado Areia Branca, na Zona Rural de Santana do Ipanema, no último sábado, 07.

O Instituto Médico Legal confirmou, nesta segunda-feira, 09, que ele foi vítima de afogamento. A suspeita é de que ele teria pulado na piscina para se proteger do enxame, mas na tentativa de respirar, era agredido pelos insetos fora da água. 

Sinésio estava acompanhado de um amigo quando acabou atacado pelo enxame. O pedreiro pulou o muro da residência e mergulhou na piscina, enquanto a outra pessoa conseguiu fugir por outro caminho.