Mundo

Vivendo no exterior, alagoanos relatam alívio de serem vacinados contra a Covid-19

Gilson Monteiro | 20/03/21 - 07h00 - Atualizado em 20/03/21 - 07h51
Foto: montagem/acervo pessoal

Enquanto no Brasil pouco mais de 5% da população se vacinou, muitos países avançam na imunização contra a Covid-19. O TNH1 conversou com alagoanos que moram no exterior e já se vacinaram, mostrando que, em alguns países, a imunização já alcançou, inclusive, o público mais jovem.

A publicitária Natalia Amaral, de 27 anos, tomou a vacina da Pfizer no início de março, e acredita que lá, nos Estados Unidos, toda a população deverá ser vacinada antes de maio, prazo previsto inicialmente pelo governo norte-americano.

Lá, a cada fase da campanha de imunização, a população recebe mensagens no celular informando a faixa etária que pode ser vacinada.

“Como sou intercambista, adulta, saudável, imigrante, imaginei que seria uma das últimas a receber a vacina. Mas no início de março fui vacinada, e fiquei muito emocionada”, comemora. A maceioense gravou um vídeo desse momento tão especial, que a maior parte de seus conterrâneos aguarda ansiosamente. Assista:

Vacinação mais rápida do que o esperado

A alagoana lamenta a lentidão da campanha de vacinação no Brasil, e diz que nos EUA, a previsão é de que toda a população esteja vacinada antes do prazo previsto.

“A gente do lado de cá fica muito preocupado com tudo isso que está acontecendo com o Brasil, e torcendo para que tudo dê certo. O mundo inteiro tá passando por tempos muito difíceis”, diz Natália, ressaltando a diferença na agilidade da vacinação dos Estados Unidos em comparação com o Brasil. 

“A expectativa é que todos sejam vacinados até maio. Mas como a distribuição está muito rápida, acredito que sejam vacinados antes”, comemora.

Atleta diz que sensação de proteção não pode ser motivo para se descuidar

Morando na Califórnia há quase dois anos, o atleta de futebol Edmilson Barros, contou ao TNH1 que, apesar da sensação de proteção trazida pela vacina, não vai relaxar-19 nas medidas preventivas à Covid.

“A sensação agora é de estar mais protegido contra a Covid, mas continuarei usando máscara, para proteger também quem não se imunizou ainda. Até que todo mundo esteja vacinado, usar máscara é um ato de respeito a vida”, disse o jogador, que já defendeu times como o CSA, Murici, Guarany de Sobral, Baraúnas e La Valeta.

“ Aqui é muito simples, você agenda a data e o local e vai tomar a vacina”, contou.

Edmilson: vacina, mas sempre de máscara e outras proteções

Trabalhando com idosos, maceioense teve vacina "antecipada"

No último dia  11, a alagoana Ellen Gozur, de 50 anos, tomou a primeira dose da vacina contra a Covid-19, do laboratório Moderna. Ellen trabalha e mora na cidade de Charlotte, na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, e teve a vacinação antecipada por trabalhar em um centro de tratamento para incapacidades, onde lida com idosos, pessoas com paralisias, síndrome de down e vítimas de acidente.

"Quando vejo a situação do Brasil, estive aí entre dezembro e janeiro, foi muito deprimente, porque realmente eram aglomerações imensas, fiquei até assustada, e ainda estou", afirma, angustiada, a alagoana natural de Maceió.

"Não sou médica, mas acredito que essa variante do Brasil é mais agressiva, pois aqui você não vê tanta gente mais jovem, entre 30, 40 anos de idade, morrendo. Aqui não vimos isso", conta, se referindo à nova cepa do novo coronavírus que teve origem na região norte brasileira. 

Ellen e o registro da vacina tão sonhado por muitos brasileiros