Polícia

Adolescentes envolvidos em decapitação de jovem em Rio Largo recebem punição máxima

Letícia Sobreira* | 19/02/19 - 18h51 - Atualizado em 19/02/19 - 18h51
Reprodução

Dois adolescentes envolvidos no assassinato de Mylca Siméia da Conceição, de 18 anos, encontrada decapitada no dia 29 de janeiro, em Rio Largo, região metropolitana de Maceió, foram ouvidos pelo Juizado de Menores do município na última segunda-feira (18). Os juízes determinaram que os menores vão cumprir medida socioeducativa de internação, com duração de 3 anos.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Lucimério Campos, os menores foram apreendidos em procedimento normal e estavam em internação provisória. “Diante da repercussão do caso, a vara antecipou o julgamento dos menores. Eles foram ouvidos e confirmaram a mesma versão que haviam dado para a polícia, que já tinha reunido outras provas, e perante esses fatos a juíza determinou a internação definitiva”, disse o delegado.

A medida socioeducativa de internação é a punição máxima prevista para os adolescentes em conflito com a lei. Os menores receberão visitas regulares de juízes para analisar as medidas de ressocialização que deverão ser cumpridas. Ainda segundo Lucimério, um dos menores teria decapitado Mylca e arrancado o seu coração.

Outras cinco pessoas envolvidas no caso também estão detidas, restando um suspeito ainda não identificado, que teria sido apontado como o responsável por levar a jovem até os autores do crime.

De acordo com o inquérito policial, Mylca foi morta por envolvimento com facções criminosas ligadas ao tráfico de drogas na região. A barbaridade do crime gerou grande repercussão do caso na imprensa. A jovem foi assassinada a facadas e teve a cabeça separada do corpo, ambos abandonados em um córrego em um conjunto da zona rural de Rio Largo.

*Estagiária sob supervisão da editoria