Economia

Alagoas deve terminar 2019 longe de superar o nível pré-crise, diz consultoria

30/07/18 - 17h02 - Atualizado em 30/07/18 - 17h02
Ilustração

A economia brasileira já não está em recessão, mas isso não significa que a crise foi superada. Após uma queda acumulada de 6,9% no biênio 2015/2016, o PIB cresceu 1% em 2017, e a estimativa da consultoria Tendências é que cresça outros 1,7% em 2018 e 2,9% em 2019. Mas a recuperação é desigual e será suficiente para que apenas 8 estados brasileiros atinjam finalmente o nível de atividade anterior à crise.

Na outra ponta do ranking estão os estados que terminarão 2019 ainda muito distantes da recuperação plena, como Alagoas (-8,4%), Sergipe (-7,8%) e Pernambuco (-7,5%). O Nordeste, de forma geral, depende muito de investimento público e transferências do governo, dois fatores cujo cenário de recuperação ainda é muito incerto.

Veja quais são os estados que devem superar o nível pré-crise:

Nível do PIB em 2019 comparado com 2014

Pará - 11,3%

Roraima - 6,9%

Mato Grosso - 5,5%

Mato Grosso do Sul - 2,1%

Santa Catarina - 1,9%

Rondônia - 1,2%

Tocantins - 0,9%

Amazonas - 0,4%

Todos os estados que vão se recuperar mais rápido estão na região Norte e Centro-Oeste, “impulsionados principalmente pelo agronegócio e mineração, além da forte exposição ao mercado externo”, segundo a consultoria.

A agropecuária, por exemplo, respondeu por 70% de todo o crescimento do país no ano de 2017. Sem ela, o PIB daquele ano teria subido 0,2% e não 1%.

O maior destaque do ranking é o Pará, um dos estados menos afetados pela crise, com queda do PIB de apenas 1,2% no biênio 2015/2015.

Segundo Camila Saito, economista da Tendências, a explicação está nos grandes investimentos de mineração da Vale no estado.

De forma geral, foram bastante os estados com forte participação dos setores mais afetados pela crise, como o industrial. É o caso de São Paulo e Rio de Janeiro, por exemplo.

“2019 devemos ter uma retomada mais forte da indústria, que vem se recuperando mais lentamente do que o esperado, com piora ainda maior das estimativas devido a essa greve dos caminhoneiros”, diz Camila.

O quarto estado mais distante do nível pré-crise será o Espírito Santo, recorde de perdas no biênio 2015/2016, em grande parte devido aos efeitos da tragédia de Mariana (MG).

Veja no mapa a situação do PIB em todos os estados em relação ao nível pré-crise segundo a estimativa da Tendências: