Educação

Alagoas reduz taxas de analfabetismo, mas ainda lidera ranking no país

Redação TNH1 | 19/06/19 - 17h11 - Atualizado em 19/06/19 - 17h11
Secom Maceió

Apesar da redução das taxas, Alagoas continua liderando o ranking de analfabetismo no Brasil, segundo dados divulgados nesta quarta-feira, 19, pelo suplemento de educação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) de 2016 a 2018, divulgada pelo IBGE na manhã desta quarta-feira (19).

O Estado teve redução de 2,2% entre os analfabetos de 15 a 18 anos, 2,4% entre 18 e 25 anos, 3,1% entre 25 e 40 anos, 3,8% entre 40 e 60 anos e 5% de quem tem mais de 60 anos. Os números correspondem à redução de analfabetismo dos anos de 2016 até 2018. 

O estudo também mostrou que a quantidade de homens analfabetos é maior que o de mulheres. Entre os mais jovens de 15 a 18 anos, os homens possuem taxa de 18,5% e as mulheres 16,2%. Já entre os maiores de 60 anos, 42,4% dos homens são analfabetos e 40,2% são mulheres. 

As taxas do tempo médio dentro das escolas também aumentaram em todas as faixas etárias. Entre os mais novos o índice cresceu de 7,5% em 2016 para 7,9% em 2018. Já os idosos cresceu de 4% em 2016 para 4,4% em 2018. 

Só 33,7% das pessoas com mais de 25 anos concluíram pelo menos a educação básica obrigatória e 30,7% dos homens entre 15 e 29 não trabalham nem estudam em Alagoas, sendo o mais alto do país. 

Entre as mulheres a taxa é ainda maior chegando a 43,3% da população de 15 a 29 anos. O índice dispara quando comparado a outros estados. 

"