Mundo

Alec Baldwin explode com repórter ao ser questionado sobre acidente que matou diretora

Folhapress | 08/12/21 - 17h41
Foto: Reprodução

Alec Baldwin, 63, irritou-se com um jornalista ao ser questionado sobre o acidente que matou a diretora de fotografia Halyna Hutchins (1979-2021) no set do filme "Rust", em outubro. Um vídeo mostra que o ator chega a se aproximar e apontar seu guarda-chuva para o repórter Jon Levine, do jornal New York Post. Nas imagens, divulgadas pelo próprio jornalista, em suas redes sociais, na última segunda-feira (6), Levine pergunta se o artista realmente não puxou o gatilho da arma cujo tiro atingiu Halyna Hutchins, como afirmou em entrevista anterior. Baldwin não responde à pergunta e fica bastante irritado com o repórter.

A esposa do ator, Hilaria Baldwin, também aparece nas imagens, apontam a câmera de seu celular para o jornalista. Levine pergunta por que a celebridade está na cidade de Nova York, e a mulher pede para ele ir embora. Enquanto isso, Baldwin bate à porta da casa do cineasta Woody Allen, no Upper East Side. O ator se irrita e avança em direção ao repórter, afirmando que ele não pode fotografar uma casa privada, e Levine argumenta que está na calçada e, portanto, está em um local público. Hilaria então segura Baldwin e o impede de continuar se aproximando do jornalista, quando a porta da residência é aberta.

Depois que Baldwin entra na casa, Hilaria continua filmando o jornalista, que pergunta: "Você realmente não puxou o gatilho? Você acredita que [a arma] disparou sem você ter puxado o gatilho? Foi uma falha no funcionamento?". O ator então apressa a esposa, e ambos fecham a porta sem responder às perguntas. O acidente no set de "Rust" aconteceu no dia 21 de outubro e deixou a diretora de fotografia Halyna Hutchins, 42, morta e o diretor Joel Souza, 48, ferido, no Bonanza Creek Ranch, em Santa Fé, Novo México, nos Estados Unidos. Alec Baldwin teria sido informado que a arma estava descarregada antes de supostamente fazer o disparo.

Em entrevista recente, no entanto, o ator afirmou que não apertou o gatilho da arma. "O gatilho não foi apertado. Eu não apertei o gatilho. Eu nunca apontaria uma arma para alguém e puxaria o gatilho, nunca", disse. Sobre a munição, ele afirmou que "alguém colocou uma bala real na arma. Uma bala que nem deveria estar naquela propriedade". Depois do acidente, Baldwin foi processado por dois membros da equipe do filme. Serge Svetnoy, o diretor de iluminação do filme, apresentou uma denúncia, no final de novembro, de "negligência" contra o ator, a produção e Hannah Gutierrez-Reed, a armeira de 24 anos responsável pelas pistolas usadas nas filmagens.

Svetnoy alega que Baldwin, o diretor assistente Dave Halls - que entregou a arma ao ator -, e Gutierrez-Reed não seguiram as práticas da indústria cinematográfica no manuseio das armas e "permitiram que um revólver carregado com munição real fosse apontado a pessoas vivas". Uma semana depois, Mamie Mitchell, a roteirista do filme, também entrou com outra ação judicial contra os três. Mitchell disse que sofreu "estresse emocional" e outros distúrbios pelos danos "causados intencionalmente" pela produção.

"Os eventos que levaram ao disparo de uma arma carregada pelo senhor Baldwin não são mera negligência", advertiu a advogada da roteirista, Gloria Allred. "Baldwin optou por jogar a roleta russa quando acionou uma arma sem a ter verificado e sem que o armeiro o tivesse feito na sua presença."