Alagoas

Após dois meses, Alagoas apresenta desaceleração da Covid-19; situação ainda é crítica 

Eberth Lins | 26/04/21 - 10h57 - Atualizado em 26/04/21 - 11h12
Foto: Arquivo / Itawi Albuquerque / TNH1

O endurecimento das medidas para enfrentamento à pandemia em Alagoas começa a apresentar resultados positivos. Após mais de dois difíceis meses, com alta de novos casos e óbitos causados pela doença, o estado passa por um período de desaceleração na transmissão do vírus, segundo aponta o Observatório Alagoano de Políticas Públicas Para Enfrentamento à Covid-19, da Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

Conforme dados do Observatório obtidos pelo portal TNH1 na manhã desta segunda-feira (26), nessa 16ª Semana Epidemiológica (SE), entre domingo (18) e sábado (24), Alagoas apresentou, simultaneamente, uma queda nos números de casos e óbitos. Essa desaceleração não era evidenciada desde a 5ª SE, no início de fevereiro.

Segundo o Observatório, a redução observada é de 12% no número de novos casos e de 7% nos óbitos por complicações causadas pela doença. 

"A desaceleração na transmissão é evidenciada pela queda do número de casos, óbitos e ocupação de leitos de UTI. Uma hipótese plausível é de que ela esteja relacionada com a diminuição de circulação de pessoas a partir das medidas contidas nos decretos", explicou o coordenador do Observatório, Gabriel Bádue.

Situação ainda é crítica, afirma relatório 

Embora em desaceleração, a situação no estado ainda é considerada crítica. De acordo com o Observatório, a ocupação média da última semana foi de 309 leitos de UTI, o que representa 82% de ocupação.

"Apesar da importante redução observada ao longo da última semana, o atual nível de ocupação dos leitos de UTI ainda é crítico, considerando os níveis indicados pelo Comitê Científico do Consórcio Nordeste (C4NE), que estabelece os limite de 80% e 70% de ocupação de leitos de UTI para a adoção de lockdown e flexibilização de medidas restritivas, respectivamente", alerta. 

Gabriel Bádue reforça que ainda é cedo para falar sobre controle da pandemia em Alagoas. 

"É necessário um período mínimo de quatorze dias dessa desaceleração para se considerar uma situação de controle na transmissão, sobretudo pelos altos níveis de ocupação hospitalar, em especial em relação aos leitos de UTI. É fundamental a manutenção das atuais medidas de controle para que continuemos a observar a redução dos indicadores, que junto com o avanço da vacinação, possibilitará a retomada com segurança de atividades hoje suspensas", ressaltou o pesquisador.

Vacinação reduziu 24% 

O problema acerca da distribuição da vacina contra a Covid em Alagoas, amplamente divulgado na imprensa na última semana, também refletiu negativamente nos números. De acordo com o Observatório, foram aplicadas 66.894 doses ao longo da 15ª SE, o que representa uma redução de 24% em relação ao quantitativo aplicado na semana anterior .

No total, foram aplicadas 616.921 doses até 24/04, das quais 435.390 correspondentes à primeira dose e 181.531 de segunda dose . Os quantitativos correspondem a 13% e 5,4% da população alagoana, respectivamente.