Mundo

'Casa Esperança' que havia resistido à lava do vulcão nas Ilhas Canárias é destruída: 'Perdemos tudo'

O Globo | 30/09/21 - 15h13 - Atualizado em 30/09/21 - 15h14
Reprodução / Instagram / I Love The World

A casa que havia sido poupada em meio à erupção do vulcão Cumbre Vieja, em La Palma, nas Ilhas Canárias, também foi destruída. A imagem do chalé intacto rodeado pelo que restou após a passagem da lava foi compartilhada em todo o mundo e celebrada como sinal de esperaça. Nesta quarta-feira, porém, o casal dinamarquês dono da propriedade confirmou que a ela também desmoronou.

— Tudo está destruído. Perdemos tudo de nossa amada ilha. É muito triste. Inge e eu estamos arrasados — lamentou o dono da casa, Rainer Cocq, em entrevista ao jornal espanhol El Mundo. A fotografia foi feita com um drone pelo espanhol Alfonso Escalero e publicada na página dele em uma rede social. Por causa da pandemia de Covid-19, Rainer e a mulher, Inge, não visitavam a ilha desde o início de 2020, e ficaram sabendo do estado da residência graças ao registro de Escalero.

Uma semana depois, porém, Rainer soube que o material expelido pela rocha destruiu não apenas a casa de campo de 45 metros quadrados, como também o jardim da mulher, onde havia palmeiras e dragoeiros e os três mil metros de seus vinhedos, cujas uvas logo seriam colhidas. — Parte de nossas vidas se perdeu com isso — disse o empresário aposentado.

Ele conta que nesta época do ano ambos já estariam arrumando as malas para deixar o frio dinamarquês e aproveitar o clima de La Palma. — Costumávamos ir em outubro e novembro para colher as uvas. Mas agora não sobrou nada. Primeiro engoliu as vinhas. Agora também devorou nossa casa — contou.

Há mais de 30 anos, Inge e Rainer Cocq decidiram que iriam comprar uma casa em La Palma. Foi quando conheceram Ada, que morava na ilha desde 1976 e comandava uma empresa de construção com o marido e o cunhado. Eles então projetaram o chalé para o casal no povoado de El Paraíso, um dos mais afetados pela lava do vulcão até o momento.

Lava chega ao mar

A lava do vulcão formou uma "pirâmide" de 50 metros após chegar ao mar na noite de terça-feira, segundo o Instituto Espanhol de Oceanografia (IEO). Nuvens de vapor foram vistas quando o magma entrou em contato com a água, o que suscitou preocupações acerca da liberação de gases tóxicos e reações químicas que podem irritar os olhos e a pele, além de prejudicar a respiração. Segundo o programa europeu de satélites Copernicus, a lava destruiu em 10 dias de erupção 656 casas e afetou 744 construções. A superfície coberta pelo magma abrange uma área de 267,5 hectares.