Geral

Caso Joab: pai de agente penitenciário morto acredita em condenação de acusado

04/07/16 - 16h57 - Atualizado em 04/07/16 - 17h00
Reprodução/Cidade Alerta

Foi adiada a audiência do caso do agente penitenciário Joab Nascimento de Araújo Júnior, de 30 anos, morto durante uma ação do Batalhão de Operações Especiais (Bope), ocorrida em maio do ano passado.

A audiência, que estava prevista para ocorrer na tarde desta segunda-feira (04), na 8ª Vara Criminal de Justiça da Capital, localizada no bairro do Barro Duro, em Maceió, foi adiada porque o juiz John Silas, responsável pelo caso, está de férias.

O pai do agente penitenciário contou que a expectativa de todos da família é de que a morte de Joab Júnior não fique impune, com a condenação do cabo Jaime José Nascimento Neto, comandante da guarnição do Bope acusado pelo crime.

“Tem tudo para que a justiça seja feita. Ele é réu confesso, atirou no meu filho quando ele estava com as mãos levantadas, a cerca de um metro de distância e foi denunciado pelo MP. Creio em Deus e acredito na justiça", ressaltou.

O pai de Joab Júnior, Joab Nascimento, disse à reportagem do TNH1 que não gostaria que o caso fosse repassado à 9ª Vara da Capital porque o juiz responsável pela circunscrição teria sido policial.

“Eu prefiro que o caso ficasse com o Jonh Silas mesmo, até porque o Geraldo Amorim já foi da polícia”, explicou. Segundo ele, uma nova data deve ser definida após o dia 18.

O caso

O agente penitenciário Joab Nascimento, de 30 anos, foi baleado durante abordagem da guarnição do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), em maio de 2015, em um bar localizado no Centro de Maceió.

À época, de acordo com a polícia, a guarnição do Bope teria se dirigido ao bar após duas mulheres denunciarem que dois homens estavam tentando aliciá-las portavam armas de fogo. Durante abordagem, Joab teria resistido e baleado pela equipe do Bope.