Interior

Criança que sofreu queimaduras após explosão de celular está em estado grave

Especialistas do HGE alertam para riscos com aparelhos celulares

Redação TNH1 com Ascom HGE | 16/07/21 - 16h32 - Atualizado em 16/07/21 - 17h01
Devido a explosão de um celular, a pequena G.S.J teve queimaduras de 2º e 3º graus pelo corpo | Neide Brandão/Ascom HGE

É grave o estado de saúde da menina G.S.J, de 10 anos, que sofreu queimaduras após uma explosão de aparelho celular, em Pão de Açúcar, na nessa quinta-feira, 15. Ela deu entrada no Hospital de Emergência do Agreste, mas  precisou ser transferida para o Hospital Geral do Estado (HGE), em Maceió. 

De acordo com o boletim médico divulgado na tarde desta sexta-feira, a criança sofreu lesões extensas, de 2º e 3º graus, em 40% do corpo, principalmente nos membros inferiores e superiores. A menina está internada no Centro de Tratamento de Queimados e deve ser encaminhada para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

De acordo com familiares, as crianças estavam dormindo quando o celular, que estava na tomada, explodiu, causando um incêndio no cômodo. Uma pessoa da família conseguiu resgatar as crianças e pedir socorro.

A madrinha da menina, a professora Deusdete Assis Gomes, relatou que a criança dormia com o irmãozinho, de dois anos, quando o aparelho explodiu, sem motivo aparente, e o fogo se alastrou no mosquiteiro, cama e quarto inteiro. “Ela protegeu ele, chegando a se queimar muito mais. Ele só teve pequenos ferimentos, está em Arapiraca, em observação, com a mãe que o acompanha,” disse a professora, afirmando que o aparelho não estava em uso e nem carregando.

A médica Daniela Bandeira Pacheco ressaltou que as queimaduras mais graves estão localizadas nas mãos e pés da menor, talvez por proteger o irmão. “Ela está com epidermólise nestas regiões, uma alteração nas proteínas responsáveis pela união das camadas da pele. Será avaliada pelo vascular e, possivelmente, transferida para Unidade de Terapia Intensiva para resguardarmos os cuidados”, salientou.

Paulo Teixeira, médico e gestor do HGE, alertou para os perigos com os aparelhos celulares. “Infelizmente aconteceu esta fatalidade com nossa paciente, que pode ter ocorrido devido a uma explosão da bateria. Para minimizar e até evitar acidentes, pensamos em algumas recomendações importantes, que devem ser observadas”, salientou.

Segundo o médico, aparelhos celulares não devem ser deixados em locais úmidos, precisam ser desligados enquanto carregam e, apenas carregadores originais devem ser utilizados, pois esses equipamentos são homologados pela Anatel [Agência Nacional de Telecomunicações].