Nordeste

Criança recém-operada do coração é encontrada em lixão em PE

Diário de Pernambuco | 19/07/19 - 15h38 - Atualizado em 19/07/19 - 16h09
Marcus Antonius/Divulgação Diário de Pernambuco

Uma menina de 12 anos foi localizada em condições insalubres morando no lixão do município de Floresta, no Sertão pernambucano. Recentemente, a garota passou por uma cirurgia cardíaca no Pronto-Socorro Cardiológico de Pernambuco (Procape), no Recife. Após o procedimento, ela voltou para casa, onde mora com os pais, e corria risco de vida por conta da poluição do ambiente e da falta de cuidados exigidos no pós-operarório.  De acordo com o Ministério Público de Pernambuco (MPPE), ela foi encaminhada para o hospital municipal de Floresta, nesta quinta-feira (18).

Os pais da menina são catadores de material reciclável, mas no município ainda não existem cooperativas que permitam atividade de forma adequada, com o uso de equipamentos de segurança e inclusão na cadeia da coleta seletiva. A criança foi encontrada após a intervenção da equipe de Saneamento da Fiscalização Preventiva Integrada da Bacia do São Francisco em Pernambuco (FPI/PE) em conjunto com a promotora de Justiça de Floresta, Kamila Guerra. A FPI sugeriu que fosse feito um levantamento das informações sobre as pessoas que foram encontradas morando dentro do lixão e a adoção de medidas para que fossem retiradas da localidade em caráter emergencial.

“Não é possível admitir a moradia de pessoas no lixão. Temos que providenciar uma solução e tirar essas pessoas de lá o quanto antes, porque eles estão vivendo em uma situação de miséria extrema”, destacou a promotora de Justiça de Paulo Afonso Luciana Khoury, coordenadora da FPI na Bahia, que foi convidada para participar da operação pernambucana em cooperação técnica com o CAOP Meio Ambiente do Ministério Público de Pernambuco.

O prefeito e secretários municipais de Floresta foram chamados pelo MPPE para visitar o local e encaminhar, dentro dos próximos dias, equipes do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e do Conselho Tutelar para avaliar a situação das famílias e, em especial, das crianças.