Cultura

"Destino", o surreal curta-metragem de Walt Disney e Salvador Dalí; assista

20/08/16 - 13h19 - Atualizado em 20/08/16 - 13h31
Reprodução

Em 1946 o artista surrealista Salvador Dalí foi abordado pelo próprio Walt Disney para propor um filme colaborativo. Intitulado Destino, o curta-metragem é baseado em uma canção mexicana de mesmo nome.

O surrealista se animou com a ideia e rapidamente começou a desenhar os storyboards do filme. A música toca enquanto sequências de imagens feitas em animação por Salvador são projetadas.

A repentina abordagem do surrealismo por Walt Disney foi uma tentativa de silenciar vários de seus críticos na época que achavam que seus filmes, muitas vezes, sacrificavam a arte genuína no altar de sua tradição, valorizando mais o aspecto comercial da inovação e experimentação.

O evocativo filme Fantasia, lançado em 1940, foi o primeiro passo inovador nesta frente, e o animador agora esperava que Destino ajudasse a manter essa dinâmica evoluindo.

Infelizmente o projeto foi abandonado em suas primeiras fases de gestação e a Disney cancelou o curta apenas em seu terceiro mês de produção. Embora ele tenha mantido sua amizade com Salvador Dalí por muito tempo depois, nada restou dessa parceria além de uma demonstração de 15 segundos e esboços rudimentares.

No entanto, 54 anos depois, o desenvolvimento da sequência de Fantasia (Fantasia 2000) inspirou o sobrinho de Disney, Roy, a finalmente reviver o projeto de Destino. Uma equipe de animadores franceses subiu a bordo do projeto para produzir o curta de seis minutos com base nas notas e nos storyboards de Salvador Dali.

Foi em 2003 que a obra finalmente viu a luz do dia e mostrou toda a glória do que foi uma parceria de sucesso entre Dali e Disney. A sinopse oficial segue abaixo:

"Para uma canção de amor perdida e redescoberta, uma mulher vê e sofre transformações surreais. O rosto de seu amante derrete, ela veste um vestido da sombra de um sino e se torna um dente de leão, formigas rastejam de uma mão e se tornam franceses andando de bicicleta. Sem mencionar as tartarugas com os rostos em suas costas que colidem para formar uma bailarina, ou o jogo de beisebol bizarro. De relógios derretidos a ampulheta de areia, a figuras em tiras, ao personagem coberto em globos oculares, o estilo e os temas de Dalí são facilmente reconhecíveis."

Assista ao curta: