Economia

Dividindo a conta: Abrasel diz que pacote foi além do esperado pelo setor

Paulo Victor Malta e Gilson Monteiro | 12/03/21 - 12h36 - Atualizado em 12/03/21 - 14h58
Foto: Agência Alagoas

Criadora da campanha  #Vamos Dividir a conta, que convidava o poder público a colaborar com os prejuízos causados pelas medidas de combate à pandemia do novo coronavírus, a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes) ressaltou a importância das medidas de incentivo ao setor produtivo,  lançadas nesta sexta-feira pelo governo de Alagoas, para a manutenção do setor. 

"Essa medida é mais do que importante para a gente. Por vezes fui conhecido como chorão, mas é que realmente sinto a dor do que é o meu segmento, a dor dos meus associados, das pessoas que estão à minha volta e até a minha dor como empresário também. Fico muito feliz em chegar no dia de hoje e ver uma medida tão forte e tão potente como vocês estão entregando. Precisamos reconhecer que ela foi além do nosso pedido. Isso é muito bom, a gente vê as nossas expectativas sendo superadas, assuntos que desde o início da pandemia a gente vinha tocando, conseguindo se concretizar no dia de hoje. Deixo a minha gratidão. Isso vai ser muito importante", afirmou Thiago Falcão, presidente da Abrasel/AL, comparando o crédito concedido pelo governo -  na ordem de R$ 45 milhões - aos recursos injetados pelo governo federal com o auxíllio emergencial.

"Se a gente for analisar essa questão do MEI e analisar o impacto que teve o Auxílio Emergencial vindo do Governo Federal, ela vai ser uma medida de tamanha força também dentro do estado. É muito importante, neste momento de restrição e queda de faturamento, ter uma injeção dentro do mercado e poder circular de novo a economia dentro do nosso estado. Agradeço em nome de todo o setor. Tenho certeza que o grupo dos empresários está muito feliz com que ouviu hoje, a expectativa era muito grande. Digo que saio daqui com a expectativa mais do que superada e isso é muito bom. Deixo minha gratidão aos secretários que fizeram a interlocução e o trabalho a e a sua figura (governador) que acatou e trouxe com muita celeridade essas medidas importantes", comemorou.

15 mil empresas beneficiadas

Em entrevista do Blog de Ricardo Mota,  o economista Cícero Péricles calcula que o  pacote anunciado pelo governo hoje deve beneficiar cerca de 15 mil empresas, 90% delas micro e MEIs. 

Segundo ele, Alagoas tem 5,6 mil lanchonetes, 4,6 mil restaurantes e 4 mil bares. Em tese, todos poderão ter acesso aos R$ 45 milhões de créditos ofertados pelo governo pela Agência de Fomento Desenvolve.

Hotelaria agrede ajuda mas quer eveitar restrições como fechamento de praias

O Presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Alagoas (Abih-AL), André Santos, agradeceu a ajuda do pacote econômico do governo, mas pediu que não houvesse restrições como fechamento de praias.

André Santos, da ABHI-AL: cadeia do turismo conta com 52 setores (Foto: Agência Alagoas)

"A hotelaria fica muito feliz com a atitude do governo. Isso é um exemplo não só para o estado, mas para o Brasil e aos municípios. Os prefeitos, com as suas limitações, compreendam também a dificuldade os empresários estão passando. Entendemos que todo mundo tem dificuldades, há uma queda de receitas de municípios, estado, federação, compreendemos tudo. Mas a máquina produtiva tem que continuar funcionando. Isso que vocês estão fazendo é um exemplo. Nós damos os parabéns pela atitude, pelo procedimento e a rapidez da busca da solução. Nós do setor de turismo agradecemos e estamos sempre em comunicação. [...] A nossa preocupação é muito forte porque a cadeia do turismo tem 52 setores. Tem outros setores que as pessoas às vezes não percebem, como lavanderia, padaria que fornece exclusivamente para hoteis e bares. Tem outros setores envolvidos que se o início da cadeia do turismo cair, no caso bares, restaurantes e hoteis, as consequências para outros setores serão muito grande. Esses setores precisam estar em movimento constantemente", disse Santos, ressaltando a preocupação com futuras restrições. 

"Há uma preocupação da hotelaria no sentido de restrições, compreendemos a dificuldade da saúde, dos leitos que estamos tendo dificuldades, mas temos que alertar a preocupação que temos como restrições mais drásticas, como fechamento de praias e outras. Isso acarretará mais ainda. Esse momento que vocês estão apresentando e organizando, financeiramente vai ser espetacular para o estado. Vai dar uma carga para continuarmos principalmente incentivando o empresário. O empresário tem que viver no incentivo, na vontade, quanto mais pancada leva, mais quer continuar trabalhandoNão estou aqui para chorar, como o Thiagov[Falcão, presidente da Abrasel] comentou, mas é importante colocarmos que passamos seis meses fechados no ano passado. Causou uma descapitalização muito grande no nosso setor. Mas vamos conversar, apresentar dados e assim reforçar cada vez mais nossa ligação com vocês. Agradecemos a todos, a presteza e ação que vocÊs estão tendo. É um exemplo para o Brasil", disse.