Brasil

Dois meses após crise, 13 dos 16 municípios do Amapá voltam a registrar novo apagão, incluindo Macapá

G1, no Amapá | 13/01/21 - 16h49 - Atualizado em 13/01/21 - 16h52
Arquivo Pessoal

Pelo menos 13 dos 16 municípios amapaenses, incluindo Macapá, registraram falta de energia por volta das 16h desta quarta-feira (13), segundo a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA), que é a distribuidora de energia. O novo apagão acontece dois meses após a crise energética que atingiu o estado em novembro de 2020.

A CEA informou que, a princípio, houve alguma falha na linha de transmissão. A Linhas de Macapá Transmissora de Energia (LMTE), empresa que administra a principal subestação do estado (onde aconteceu incêndio que deixou o Amapá cerca de 20 dias na crise energética), não se posicionou sobre o fato até as 16h30.

O G1 procurou também o Ministério de Minas e Energia (MME) e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), mas não obteve retorno até o momento.

Este é o terceiro apagão registrado no Amapá desde o dia 3 de novembro de 2020. O segundo aconteceu no dia 17 de novembro do ano passado.

No dia 23 de dezembro de 2020 foi energizado o transformador de "backup" que garante segurança energética para 89% do estado. A ativação do equipamento, que saiu de Roraima, integra um planejamento feito pelo governo federal para a normalização do fornecimento do serviço no estado. Agora o Amapá tem à disposição três equipamentos do tipo.

Linha do tempo

O apagão aconteceu no dia 3 de novembro, durante uma tempestade. O ONS descreveu que encontrou uma série de falhas em usinas, na rede de distribuição e Subestação Macapá, que é a principal do estado. Na segunda-feira (11), a TV Globo divulgou que a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontou que falhas do ONS e ainda da LMTE levaram ao início da crise energética.

Antes do apagão, só estavam funcionando dois equipamentos, porque o terceiro estava em manutenção desde dezembro de 2019. Segundo o relatório do ONS, na noite do dia 3 houve um curto-circuito, seguido de explosão e de incêndio num primeiro transformador, o que sobrecarregou um segundo equipamento.

Os problemas deram início à crise, que mudou a rotina dos amapaenses, provocou uma corrida a postos de combustíveis e mercados, causou prejuízos financeiros e até mesmo resultou no adiamento das eleições em Macapá (que encerrou com o 2º turno no último domingo, dia 20).

Foram 4 dias totalmente sem eletricidade. O fornecimento voltou para parte da população só no dia 7 de novembro, após a manutenção e energização de um dos três transformadores. Foram cerca de 20 dias enfrentando apagões e racionamento de energia elétrica e o fornecimento só foi retomado em 100% no dia 24 de novembro, com quando um segundo transformador foi ativado.

Esse equipamento foi transferido para Macapá vindo de Laranjal do Jari, no Sul do estado. Nesse município chegou também nesta quarta-feira um transformador para repor o que foi emprestado à capital. Para lá foi enviado um equipamento em desuso na Subestação Vila do Conde, no interior do Pará.