Alagoas

Escola diz que afastou professor e outro funcionário após relatos de abusos sexuais

Eberth Lins | 30/09/21 - 12h50 - Atualizado em 30/09/21 - 12h55
Escola assegurou que todo relato de assédio a estudantes será apurado | Foto: Reprodução / Internet

Um professor e um funcionário, cujo cargo não foi informado, foram afastados de suas funções após relatos de assédio e abusos sexuais em uma tradicional escola particular de Rio Largo, na região metropolitana de Maceió. Somente contra o professor, segundo a Associação AME, que acolhe mulheres vítimas de violência, há mais de 20 relatos de abusos praticados durante os últimos 10 anos.

De acordo com a escola, o professor e o segundo funcionário foram afastados "tão logo o colégio tomou conhecimento das denúncias de assédios a estudantes dentro desta instituição".  "O professor cujas denúncias recai foi afastado de suas funções e responde administrativamente às acusações que lhe foram imputadas, assegurando os princípios legais do contraditório, da ampla defesa e presunção de inocência. Um segundo funcionário também objeto de denúncias, foi devidamente afastado de suas funções para apuração dos fatos", informou a escola por meio da rede social.

Sem detalhar, a escola também informou que tem sido vítima de "fake news", com a repercussão do caso nas mídias sociais. "Salientamos que todas as medidas legais já estão sendo tomadas pelo nosso departamento jurídico e, os culpados (a) que estão disseminando notícias falsas, visando unicamente a autopromoção, engajamento e seguidores nas redes sociais, serão devidamente responsabilizados(a)", disse a escola.

No início da tarde desta quinta-feira (30), o TNH1 entrou em contato com a escola e foi informado que mais informações só serão repassadas à imprensa amanhã, dia 1º de outubro, por meio da assessoria jurídica. "Asseguramos que todo relato de assédio a estudantes será apurado e as denúncias poderão ser formalizadas através de um canal criado especialmente para esse fim, oportunizando as vítimas relatar o possível assédio ocorrido, de forma segura", trouxe a nota da escola. A instituição disse ainda que está em fase de elaboração uma campanha institucional de enfrentamento ao assédio. A campanha contará com orientações para prevenção, tratamento e responsabilizações a servidores e estudantes.

Entenda o caso - Um professor foi denunciado como suspeito de violência sexual contra várias crianças nos últimos 10 anos na cidade de Rio Largo. Algumas das vítimas, acompanhadas dos pais, estiveram na Associação AME  para relatar as denúncias, nessa quarta-feira (29). De acordo com a advogada Julia Nunes, da AME, são mais de 20 relatos de crianças que teriam sido abusadas por um mesmo professor.  Segundo Julia Nunes, há casos de beijos forçados, "cantadinhas" e gestos obscenos praticados pelo professor. O caso já foi denunciado na polícia e será levado ao Ministério Público Estadual (MPE).