Mercado de Trabalho

Escola Sesi Cambona vai inaugurar sala diferenciada de aprendizagem

Assessoria | 10/09/19 - 12h03 - Atualizado em 10/09/19 - 12h05
Assessoria

A Escola Sesi Cambona inaugura, às 9 horas desta quarta-feira, 11, seu Espaço Maker, um ambiente de aprendizado onde se adota a filosofia “mão na massa”. A unidade de ensino ganhará uma sala, com ferramentas digitais e tecnológicas, onde os alunos desenvolverão projetos e terão momentos de aprendizado únicos, em busca de soluções para as empresas e para os problemas do cotidiano.

“A inovação está no DNA de nossas escolas”, orgulha-se a diretora de Educação e Tecnologia do Sesi/Senai, Cristina Suruagy. Segundo ela, o Espaço Maker visa a desenvolver as competências técnicas e socioemocionais dos alunos, tornando-os mais participativos e proativos no desenvolvimento das tarefas escolares.

Rafael Bastos, gestor de Inteligência Pedagógica da Nave à Vela, entidade parceira do Sesi na implantação da metodologia Maker, explica que se trata de um ambiente de aprendizagem criativo. Nele, os alunos vão trabalhar com ferramentas e equipamentos, colocando a criatividade a serviço da inovação. O gestor da entidade sediada em São Paulo acompanhou uma aula-piloto na Escola Sesi Cambona. 

Segundo Rafael, a ideia é que os alunos possam aprender conteúdos e desenvolver competências e habilidades, para que possam relacionar e usar isso para a vida deles, em qualquer ambiente. “É um espaço ‘mão na massa’, onde eles vão fazer coisas, produzir. O conhecimento vai sair do papel e vir para a prática a partir do repertório que eles vão desenvolver”, afirma.

O método de ensino, que visa a formar jovens com adaptabilidade, iniciativa, criatividade e preparados para as mudanças no mundo, é utilizado por escolas respeitadas no País, como o Mackenzie, Anglo Morumbi e Colégio Visconde de Porto Seguro, da capital paulista.

Para estimular o desenvolvimento de competências ligadas à inovação entre seus estudantes, não basta apenas construir o Espaço Maker. A Escola Sesi Cambona alinhou o Currículo de Cultura de Inovação (CCI) à Base Nacional Comum Curricular(BNCC), além de investir em materiais didáticos e formação de educadores.