Mundo

Estado Islâmico reivindica ataques que Hollande qualificou como "ato de guerra"

14/11/15 - 08h49

As ruas de Paris amanheceram com policiais concentrados em todas as ruas, avenidas e praças da cidade (Crédito: Reprodução Agência Brasil/ EPA/Agência Lusa)

As ruas de Paris amanheceram com policiais concentrados em todas as ruas, avenidas e praças da cidade (Crédito: Reprodução Agência Brasil/ EPA/Agência Lusa)

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) reivindicou hoje (14), em comunicado, os atentados terroristas de ontem (13) à noite em Paris, que causaram pelo menos 127 mortos e 180 feridos.

O presidente francês, François Hollande, já tinha já atribuído os ataques ao grupo terrorista, que qualificou como um "ato de guerra" cometido por "um exército terrorista" contra a França.

François Hollande pediu aos franceses "unidade e sangue-frio", ao mesmo tempo em que decretou o "luto nacional por três dias", na sequência dos ataques terroristas de sexta-feira.

"O que aconteceu ontem é um ato de guerra (...) que foi cometido pelo Estado Islâmico, organizado a partir do exterior e com cúmplices interiores que o inquérito deverá estabelecer", afirmou Hollande.

O presidente da França acrescentou que falará segunda-feira (16) no Parlamento francês, para informar sobre as medidas que adotará.

Os ataques tereroristas ocorreram em pelo menos seis locais diferentes da cidade, entre eles uma sala de espetáculos e o estádio nacional, onde decorria um jogo de futebol entre as seleções de França e da Alemanha.

A França decretou o estado de emergência e restabeleceu o controle de fronteiras na sequência do atentado cclassificado por François Hollande classificou como “ataques terroristas sem precedentes no país”.



Fonte: Agência Brasil