Alagoas

Exército decide manter Operação Carro-pipa em Alagoas, diz AMA

Bruno Soriano | 11/10/21 - 16h30 - Atualizado em 11/10/21 - 16h30
Situação de emergência decorrente da estiagem foi reconhecida em 38 cidades alagoanas

A Associação dos Municípios Alagoanos (AMA) anunciou, nesta segunda-feira (11), que o Exército vai retomar a Operação Carro-pipa em Alagoas. Há pouco mais de uma semana, por meio de ofício encaminhado às prefeituras, o 59º Batalhão de Infantaria Motorizado, com sede em Maceió, informou que as atividades seriam suspensas, devido à falta de recursos, a partir do próximo dia 20 de outubro. Porém, após reunião entre representantes de entidades municipalistas e a bancada federal, em Brasília, o presidente da AMA, prefeito Hugo Wanderley, informou que o cronograma de outubro da operação está mantido.

A continuidade do programa esteve comprometida em virtude da indisponibilidade de recursos oriundos do Ministério do Desenvolvimento Regional, já que, segundo o Exército Brasileiro, todo o valor (R$ 379,8 milhões) disponível para o trabalho de assistência aos municípios, com base na Lei Orçamentária Anual, já foi utilizado.

Ainda segundo o presidente da AMA, a entidade "vai continuar vigilante e trabalhando para que a operação não pare um dia sequer, prosseguindo enquanto não houver água potável para todos, principalmente aqueles que habitam as comunidades mais distantes”.

"Vamos lutar para que ninguém sofra sem água para beber", disse o prefeito, acrescentando já ter solicitado à coordenação da Operação Carro-pipa em Alagoas mais informações sobre o retorno da distribuição d'água.

O programa chegou a ser interrompido em fevereiro, também por falta de recursos, já que o Orçamento 2021 ainda não havia sido aprovado. Já no mês de julho, seis dos nove estados atendidos pela operação também chegaram a registrar suspensões.

A operação contempla 38 municípios alagoanos (saiba quais) atingidos pela forte estiagem e cuja situação de emergência foi reconhecida, pelo governo federal, no último dia 30 de agosto, conforme publicação no Diário Oficial da União. O programa também assiste outros municípios localizados no semiárido nordestino, Norte de Minas Gerais e Espírito Santo, distribuindo distribui água potável às comunidades afetadas pela seca e realizando ações estruturantes de segurança hídrica, como perfuração de poços e implantação de cisternas.