Polícia

Família de Rhaniel Pedro diz que laudo do IML confirma abuso sexual

TNH1 com TV Pajuçara | 14/05/21 - 07h30 - Atualizado em 14/05/21 - 07h53

A família do pequeno Rhaniel Pedro Laurentino da Silva disse, nesta sexta-feira, 14, em entrevista ao programa Balanço Geral Alagoas, da TV Pajuçara, que o laudo do IML confirmou que a criança foi abusada sexualmente. Além desta violência, o menino sofreu traumatismo craniano e teve pescoço, pulso e dentes quebrados.

Rhaniel Pedro, de 10 anos, teve o corpo deixado próximo a entulhos na manhã de quinta-feira, 13, na Rua Recanto do Sol, um dia depois de desaparecer no bairro de Clima Bom no momento em que se deslocava para uma aula de reforço escolar.

A mãe da criança, identificada como Ana, contou à reportagem que a família não tem ideia de quem pode ter feito maldade com o garoto. Ela destacou, durante o velório da vítima, que o filho era querido pelos amigos e pela vizinhança.

"Não temos informações, não temos suspeitos. A única coisa que vi e ouvi foi só o portão batendo e ele dizendo 'tchau, mamãe'. Peço que todos me ajudem, para fazer Justiça, pelo meu filho. Um menino cheio de sonhos, queria estudar na escola militar, um menino exemplar, carinhoso, onde chegava todo mundo amava", disse abalada.

Ana, que estava acompanhada do esposo, o padrasto do menino, agradeceu a mobilização da população para tentar encontrar Rhaniel Pedro com vida e espera que o autor responda pelo crime.

"Ele foi e não voltou. O que fizeram com meu filho foi... Uma pessoa que não tem Deus no coração, uma crueldade. Todos os coleguinhas procurando, fazendo vídeo, fazendo grupo, a escola também se movendo... O que fizeram com meu filho não existe. Jogaram meu filho no lixo".

O delegado Bruno Emílio, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), foi designado para investigar o caso. Até o momento, não há uma linha de apuração sobre a motivação, nem possíveis suspeitos.

O desaparecimento

Os familiares de Rhaniel Pedro divulgaram que o menino havia saído de casa por volta de 7h20 da manhã de quarta-feira, 12, mas não tinha chegado na aula de reforço e tampouco retornado para casa. 

Os parentes percorreram a cidade durante todo o dia para saber se o menino teria dado entrada em alguma unidade de saúde e estavam desesperados à procura de informações. 

O corpo da criança foi encontrado por um homem que passava pela região e, ao ter conhecimento sobre o desaparecimento do menor, entrou em contato com os familiares no início da manhã de quinta-feira, 13.

O cadáver foi coberto com um pano e havia sido deixado entre uma calçada e um muro, próximo a entulhos, na Rua Recanto do Sol.